250 anos de influência açoriana no português do Brasil

Oswaldo Antônio Furlan

Resumo


É tradicional falar da faixa litorânea do Estado de Santa Catarina (SC), que, em 1748/1756, recebeu grande contingente de açorianos, contém traços que o distinguem dos falares circunvizinhos. Dentre eles sobressaem estes: fônicos: pronúncia álveo-palatal (chiada) do /s/ final de sílaba (fisga, diz, mês); absorção do iode por subseqüente /s/ palatalizado (mais, seis, dois, móveis > dosh... móvesh); pronúncia velar/uvular do /r/ forte (roda, carro, genro, bilro, Israel); apoio paragógico de [e] a oxítonos em -1, -r, -s, -z ante pausa (sol, mar, mes, faz > sole... fage); africação e palatalização de /t, d/ entre iode e vogal recuada átona (peito, peido > pejtju, pejdju); ênfase da vogal tônica em prejuízo das átonas e rapidez de ritmo; elevação entoacional da parte final das assertivas enfáticas (óia, óia, oia! - Olha...!); morfo-sintáticos e léxico-semânticos: tratamento familiar por tu x vós; uso dos termos gueixa (potranca), áamarrita (manto), bernúncia (bicho-papão). Donde procederam esses traços? dos falares do português europeu continental? dos falares açorianos? de outros falares brasileiros? de natural evolução dos falares que o geraram em SC?

Palavras-chave


Influência; Açoriana; Português; Cultura

Texto completo:

PDF/A

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 ÁGORA ISSN 0103-3557



ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia