Tabela de temporalidade da UFSC em formato eletrônico: otimizando o sistema

Eliana Maria dos Santos Bahia, Ezmir Dippe Elias

Resumo


O foco centra-se na Tabela de Temporalidade, a partir da ideia de sustentabilidade, recursos organizacionais para obtenção de vantagem funcional. As funções convencionais de reunir, processar, difundir, viabilizar e preservar a memória e utilizar a informação comprova capacitação no uso das mesmas. O objetivo principal deste estudo é avaliar o sistema Notes na aplicação da tabela de temporalidade, busca investigar, analisar, descrever e apresentar quantitativamente os acessos à tabela de temporalidade. A plataforma  Notes é uma  ferramenta que está sendo utilizada para gerenciar a tabela, tronando-se valiosa para  facilitar  o acesso à ela.O resultado do trabalho realizado pela Comissão Permanente de Avaliação de Documentos da Universidade Federal de Santa Catarina, qual seja, a tabela de temporalidade eletrônica, beneficia a agilidade do processo, reduz custos oferece visibilidade à instituição.


Palavras-chave


Tabela Temporalidade – UFSC; Memória Institucional; Preservação digital

Texto completo:

PDF/A

Referências


AVENDON, Don M. GED de A a Z : tudo sobre gerenciamento eletrônico de documentos.São Paulo: CENADEM, 1999.

BRASIL. Leis e Decretos. Resolução nº 4/1996/CONAR.

______. Portaria nº1.088/GR/1988, de 23.11.1988. Florianópolis.UFSC,1988.

______. Portaria nº 11/GR/1988, de 29.3.1988. Florianópolis.UFSC,1988.

______. Portaria nº0028/GR/1997, de 14.1.1997. Florianópolis,UFSC,1997.

______. Portaria nº0814/GR/2000, de 26.12.2000. Florianópolis.UFSC,2000.

______. Portaria nº0504/GR/2005, de 03.5.2005. Florianópolis. UFSC, 2005.

BRASIL. Lei n. 8.159 de 1º de janeiro de 1998.

BELLOTTO, Heloisa L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 2.ed. Rio de Janeiro : FGV Editora, 2004.

CASTRO, Astréa de Moraes e; CASTRO, Andrea de Moraes e et. All. Arquivos: físicos e digitais. Brasília : Thesaurus, 2007.

CAVALCANTI, Mary (Org). Gestão estratégia de negócios, cenários, diagnósticos e ação. São Paulo : Pioneira Thompson Learning, 2001.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (Brasil). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. E-ARQ Brasil: modelo de requisitos para Sistema Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. 1.1. versão. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional,2011.

COSTA Marília Daminai,CASTRO,Gardênia de. Diagnóstico para aplicação de Gestão do Conhecimento em unidades de informação. In: VERGUEIRO, Waldomiro; MIRANDA, Angélica C.D. (Orgs.) Administração de unidade de informação. Rio e Janeiro,RS:Ed.FURG, 2007. capítulo 3, p. 51-68.

JARDIM, José Maria. A formação do arquivista no Brasil. Niterói: EduFF, 1999.

RONDINELLI, Rosely Curi. Gerenciamento arquivístico de documento eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea. 3.ed. Rio de Janeiro: Ed. FVG, 2005.

SILVA, Sergio Conde Albite. Algumas reflexões sobre preservação de acervos em arquivos e bibliotecas. Rio de Janeiro :Academia Brasileira de Letras, 1998.34p.

SANTOS, Vanderlei Batista dos (org.) Arquivista temas contemporâneos: classificação, preservação digital e gestão do conhecimento. 3.ed.Brasília :SENAC, 2009.

SCHELLENBERG, T.R. Arquivo modernos. Rio de Janeiro : Fundação Getúlio Vargas,1974.

HOUGHTON, John ; SHEEHAN, Peter. A primer on the knowledge management. Centre for Strategic Economic Studies. Victoria University: Melbourne, 2000.

YOO, K.; SUH, E.; KIM, K-Y. Knowledge flow-based business process redesign: applying a knowledgemap to redesign a business process. Journal of Knowledge Management, v. 11, n. 3, p. 104-125, 2007.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 ÁGORA ISSN 0103-3557



ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia