Da classificação biológica à classificação digital: perspectivas de renovação em classificação arquivística

Thiago Henrique Bragato Barros, João Batista Ernesto de Moraes

Resumo


A classificação arquivística é uma das atividades mais fundamentais e mais difíceis de serem executadas na prática à medida que a área não possui parâmetros claros para sua execução. Sempre esteve atrelada, de algum modo, aos princípios de proveniência e ordem original. Durante seu percurso teórico, foi atrelada inicialmente a uma perspectiva naturalista e relacionada com as classificações biológicas do século XIX, e sua revisão a partir da década de 1950 com a criação dos planos de classificação estrutural e funcional, buscando aproximá-la da realidade administrativa das instituições e, na atualidade, as classificações baseadas no sistema de série e o vislumbre teórico de uma classificação por item. Nesse sentido, busca-se neste artigo traçar o percurso histórico e conceitual da classificação arquivística por meio da análise dos principais marcos teóricos do passado e da atualidade, especialmente os autores responsáveis pela enunciação e cristalização das noções de classificação. Busca-se, ainda, a construção de um panorama teórico dos autores que, na atualidade, buscam redefinir e rearranjar teoricamente os conceitos e práticas relacionados a essa atividade. Sinalizando no horizonte teórico-prático da disciplina as novas abordagens em classificação. 


Palavras-chave


Classificação; Análise Funcional; Sistema de série; Classificação por Item

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1975.

BAK, G. Continuos classification: capturing dynamic relationship among information resources. Archival Science, v.12, n. 2, s/p, 2012 (preprint).

BROTHMAN, B. Archives, life cycles, and death wishes: a helical model of record formation. Archivaria, v. 61, Spring, 2006, p. 235-269.

CANADA. Library And Archives Canada. Business Activity Structure Classification System (BASCS): Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2012.

COOK, T. The concept of the archival fonds in the post-custodial era: theory, problems and solutions. Archivaria, v. 35, Spring, p. 24-37, 1993.

COOK, T. What is past is prologue: a history of archival ideas since 1898, and the future paradigm shift. Archivaria, v. 43. Spring, 1997, p. 18-63.

COOK, T. Fashionable Nonsense or professional rebirth: postmodernism and practices of archives. Archivaria, v. 51, Spring, p. 14-35, 2001.

COOK, T. Archival science and postmodernism: new formulations for old concepts. Archival Science, v. 1, n. 1, 2001, p. 3-24.

DURANTI, L. The archival bound. Archival and Manuscrits info, v. 11 p. 213-218.

DURANTI, L. et al. Preservation of the integrity of electronic records. Boston : Kluwer Academic Publishers, 2002.

EASTWODD. T. What is archival theory and why is it important? Archivaria, v. 37, p. 122-130, 1994.

EASTWOOD, T. Putting the parts of the whole together: systematic arrangement of archives. Archivaria, v. 50, Fall, p. 93-116, 2000.

FOSCARINI, F. Records classification and functions: an archival perspective. Knowl. Org. v. 33, n. 4, p. 188-198, 2006.

FOSCARINI, F. Functional-based classification systems: an exploratory study of records management practices in central banks. 2009, 349 f., Phd Thesis (Doctor Of Philosophy) – Library, Archival and Information Studies Course, University Of British Columbia, Vancouver, 2009.

JENKINSON, H. A manual of archive administration: including the problems of war archives and archive making. Oxford: The Clarendon Press, 1922.

JENKINSON, H. Selected writings of sir Hilary Jenkinson. Gloucester: Alan Sutton,1980.

HEREDIA HERRERA, A. Archivística general: teoría y práctica. Sevilla: Disputacíon de Sevilla, 1995.

HORSMAN, P.; KETELAAR, E.; THOMASSEN, T. New respect for the old order: the context of the dutch manual. American Archivistic, n. 66, Winter/Spring, 2003, p. 249-270.

HURLEY, C. What, if anything, is a function? Archives and Manuscripts, v. 21, n. 2, p. 208-220, 1993.

HURLEY, C. Ambient Functions: Abandoned Children to Zoos. Archivaria, v. 40, Fall, p. 21-39, 1995.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. 15489-1 Information and documentation: records management, 2001.

NESMITH, T. Seeing archives: postmodernism and the changing intellectual place of archives. American Archivist, v.65, n. 2, p. 24-41, 2002.

ORR, S. A. Functional-based classification of records: is it functional? 2005, 170 f., MA Thesis (Mestrado) – Master of Science in Records Management Course, Northumbria University, Newclaste, 2005.

SOUSA, R. T. B. Os princípios arquivísticos e o conceito de classificação. In: RODRIGUES, G. M.; LOPES, I. L. Organização e Representação do Conhecimento. Brasília: Thesaurus, 2003, p. 240-269.

SABOURIN, P. Constructing a funcional-bases recrods classification system: business activity sctructure classification system. Archivaria, n. 51, p. 137-154, 2001.

SCHELLENBERG, T. R. European practices in arranging records. National archives staff information circular, n. 5, 1939.

SCHELLENBERG, T. R. Modern Archives: principles & techniques. Chicago: Society of American Archivists, 2003.

SHEPHERD, E. & YEO, G. Managing records: a handbook of principles and practice. London: Facet, 2003.

YAKEL, E. Archival Representation. Archival Science, n. 3, p. 1-25, 2003.

YAKEL, E. Who represents the past? Archives, records and social web. In: COOK, Terry (Ed.). Controling the past: documenting society and institutions. Chicago: Society of American Archivists, p. 257- 278, 2011.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 ÁGORA ISSN 0103-3557



ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia