Escritas de si e memória social: o arquivo pessoal de Coriolano Benício

João Paulo Borges da Silveira

Resumo


O presente trabalho visa refletir a respeito o conceito memória social no que tange os arquivos pessoais, compreendendo estas documentações como patrimônio cultural, pois se referem a uma determinada época e região em que foram produzidas. Para basear a discussão, parte-se do arquivo pessoal de Coriolano Benício (1911-1984), cidadão rio-grandino que se dedicou às artes e a cultura, deixando preservado em seu arquivo uma documentação das mais variadas tipologias e que refletem diferentes períodos de sua vida. O arquivo ainda pode ser entendido como testemunho de um passado cultural e artístico de Rio Grande, servindo também para evocar lembranças, considerando que a memória individual pode ser considerada como um ponto de vista da memória coletiva.


Palavras-chave


Escritas de Si; Memória Social; Arquivo Pessoal Coriolano Benício; Cidade do Rio Grande.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARQUIVO Nacional. Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BARROS, Dirlene Santos; NEVES, Dulce Amélia de Brito. Arquivo e memória: uma relação indissociável. TransInformação, Campinas, v. 21, n. 1, p. 55-61, jan./abr. 2009.

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: Série os Pensadores. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1975. p. 63-82.

CANDAU, Joel. La métamémoire ou la mise en récit du travail de mémoire. Séminaire du "Groupe d’Études sur les Mémoires" Centre Alberto Benveniste, Paris, 8 avril 2009.

CANDAU, Joel. Mémoire collective et mémoire individuelle fonctionnent-elles selon le même modèle? Archives, Paris, n. 25, avril, 2008.

COOK, Terry. Arquivos pessoais e arquivos institucionais: para um entendimento arquivístico comum da formação da memória em um mundo pós-moderno. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 129-149, 1998.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Do baú ao arquivo: escritas de si, escritas do outro. Revistas Patrimônio e Memória, Assis/SP, v. 3, n. 1, p. 53-70, 2007.

DEL PRIORE, Mary. Biografia: quando o individuo conta a sua história. Topoi: revista de História, Rio de Janeiro, v. 10, n. 19, p. 7-16, 2009.

FRAIZ, Priscila. A dimensão autobiográfica dos arquivos pessoais: o arquivo de Gustavo Capanema. Revistas Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 59-87, 1998.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens, 2006.

GOMES, Ângela de Castro (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2004.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HEYMANN, Luciana Quillet. Estratégias de legitimação e institucionalização de patrimônios históricos e culturais: o lugar dos documentos. In: REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL, 8., Buenos Aires, 2009. Anais... Buenos Aires, 2009. p. 1-19.

HEYMANN, Luciana Quillet. Indivíduo, Memória e Resíduo Histórico: Uma Reflexão sobre Arquivos Pessoais e o Caso Filinto Muller. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 10, n. 19, p. 41-66, 1997.

IZQUIERDO, Iván. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002. p.96.

JARDIM, José Maria. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 2, 1995.

MALATIAN, Tânia. Narrador, registro e arquivo. PINSKY, Carla Bassanezi; LUCA, Tânia Regina de. (Orgs.). O Historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2011. p. 195-221.

MEYER, Eugenia. O fim da memória. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 43, p. 31-44, 2009.

PEREIRA, Lígia Maria Leite. Algumas reflexões sobre histórias de vida, biografias e autobiografias. História Oral, São Paulo, n.3, p. 117-127, 2000.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RIBEIRO, Renato Janine. Memórias de si, ou ... Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 35-42, 1998.

RICOUER, Paul. Memória, História e Esquecimento. Campinas: Ed. UNICAMP, 2007. p. 535.

SILVEIRA, João Paulo Borges da. “Somos, sem modéstia, […] um homem de teatro”: os manuscritos de Coriolano Benício como documentos (auto) biográficos. 2012. 176 p. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, 2012.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 ÁGORA ISSN 0103-3557



ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia