Reestruturação do Arquivo Setorial CEAF – componente especializado da assistência farmacêutica 20ª Gerência de Saúde

Karine Coutinho

Resumo


A gestão documental no setor saúde necessita mais que nunca avançar em passos largos para atender à demanda de produção de documentos em suporte papel, necessária para o andamento das atividades técnico-administrativas do estado. A arquivística trata especificamente de conceitos, sistemas, métodos e técnicas que concretizam os objetivos da Arquivologia: organizar e dar acesso aos conteúdos dos documentos. Mesmo com tanta tecnologia os sistemas de informações em saúde necessitam do tratamento arquivístico da informação para que os documentos em suporte papel também recebam o tratamento adequado às necessidades específicas de cada sistema de informação. Utilizam-se as metodologias de observação experimentação para o Relato de Experiência da Reestruturação do Arquivo Setorial do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica – CEAF. O objetivo é demonstrar os benefícios das práticas arquivísticas quando o fluxo documental é submetido ao tratamento da informação. É possível o estabelecimento do fluxo de gestão documental na SES a partir dos trabalhos juntos aos Arquivos Setoriais. Neste caso, refere-se ao setor Farmácia da 20ª Gerência Regional de Saúde.


Palavras-chave


Arquivística; Gestão Documental; Relato de Experiência

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARQUIVO NACIONAL. Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Disponível em:

arquivonacional.gov.br>. Acesso em: 17 jul. 2014.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Dicionário de Terminologia Arquivística. São Paulo: Associação dos Arquivistas Brasileiros, 1996.

CASTRO, Rogério Gonçalves de. Metodologia da Pesquisa e da Produção Científica. Brasília: AVM Faculdade Integrada, 2014.

CONARQ. Lei n° 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2014.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. A Assistência Farmacêutica no SUS. Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2011.

DAVENPORT, Thomas H., Ecologia da Informação. São Paulo: Futura, 1998.

LOPES, Luís Carlos. A Informação e os Arquivos: Teorias e Práticas. Niterói, Rio de Janeiro: EDUFF: EDUFSCar, 1996.

MIGUEIS, Maria Amélia Porto. Roteiro para elaboração de instrumentos de pesquisa em arquivos de custódia. Arquivo & Administração, v.5, 1976.

RONDINELLI, Rosely Curi. Gerenciamento Arquivístico de Documentos Eletrônicos. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2002.

SANTOS, Vanderlei Batista dos. Gestão de documentos arquívisticos eletrônicos: o caminho percorrido pela administração pública brasileira. Caderno de História, Belo Horizonte, v. 14, n. 20, p. 9-13, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2015.

SILVA, Armando B. Malheiro da. A Gestão da Informação Arquivística e suas repercussões na produção do conhecimento científico. Rio de Janeiro: CONARQ, 2000. Disponível em:

ibericas/a_gesto_da_informao_arquivstica.pdf>. Acesso em 20 fev. 2015.

STARBIRD, Robert W.; VILHAUER, Gerald C. Como Tomar a Decisão de Implantar a Tecnologia do Gerenciamento Eletrônico de Documentos. Rio de Janeiro: CENADEM, 1997.

SEA – SC. Relatório de Atividades 1° semestre da Diretoria de Governança Eletrônica. 2013.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 ÁGORA ISSN 0103-3557



ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia