Arquivo público: preservação e acesso ao acervo da Justiça do Trabalho de Londrina

Leticia Gorri Molina, Giuliano Carlos de Araújo, Juliana Cardoso dos Santos

Resumo


O trabalho analisa o acesso, a disponibilização e a preservação do acervo judicial e administrativo no arquivo da Justiça do Trabalho de Londrina no Paraná. O objetivo geral oi identificar como o sistema de Arquivos da instituição está estruturado, proporcionando acesso aos acervos judiciais trabalhistas, além de preservar a documentação de valor histórico. Como objetivos específicos, o relato dos avanços obtidos na acessibilidade dos acervos judiciais trabalhistas com a estruturação do Arquivo, a caracterização da Seção de Arquivos como espaço de preservação da memória jus-laboral e a identificação dos principais pontos a serem melhorados quanto aos meios de solicitação de documentos e o prazo para atendimento destas solicitações.O trabalho proposto foi de caráter descritivo e exploratório de natureza qualitativa, utilizando do método de pesquisa ‘Estudo de Caso Único’. Como resultados, considera que o direito de procurar, receber e disseminar informação impõe uma obrigação positiva ao Estado de assegurar o acesso à informação. Demonstra que a preservação dos documentos judiciais garante o acesso e a disponibilização dos acervos da Justiça do Trabalho para a pesquisa histórica e de memória, devido ao fato desses arquivos representarem uma parte importante do patrimônio histórico, cultural, social e econômico de conquista dos trabalhadores brasileiros no âmbito do direito trabalhista.


Palavras-chave


Arquivo Público; Lei de Acesso à Informação; Justiça do Trabalho; Memória

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BELLOTO, H. Arquivos permanentes: tratamento documental. São Paulo: FGV, 2004.

BOBBIO, N. Dicionário de política. 7. ed. Brasília: UNB, 1995.

BONAVIDES, P. Curso de Direito Constitucional. 20. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 1991.

BRASIL. Decreto lei n. 8.159 de 08 de janeiro de 1991 – Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, D.F., 8 jan. 1991.

BRASIL. Decreto lei n. 12.527 de 18 de novembro de 2011. – Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, D.F., 18 nov. 2011.

BRASIL. Tribunal Regional do Trabalho da Nona Região. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2015.

CHAGAS, M. Cultura, patrimônio e memória. Porto Alegre: Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras, n. 31, jan./jun., p.15-29, 2002.

CÔRTES, M. R. P. A. Arquivo público e informação: acesso à informação nos arquivos públicos estaduais do Brasil. Belo Horizonte, 1996. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Biblioteconomia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, 1996.

COUTURE, C.; ROUSSEAU, J. Y. Os Fundamentos da disciplina Arquivística. Lisboa: Dom Quixote, 1998.

DOTTI, R. A. Proteção da vida privada e liberdade de informação: possibilidades e limites. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 1980. 299p.

GEMIGNANI, T. A. A. Apreservação da memória da justiça do trabalho no Brasil: da menoridade à emancipação. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Porto Alegre, RS, v. 76, n. 1, p. 129-144, jan./mar. 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JARDIM, J. M. A invenção da memória nos arquivos públicos.Ciência da Informação, v. 25, n. 2, 1995.

LE GOFF, J. História e memória.5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LUNARDELLI, R. S. A.; MOLINA, L. G.; TONELLO, I. M. S. A constituição da memória dos procedimentos em saúde no contexto do prontuário eletrônico do paciente. Informação e Informação, Londrina, v. 19, n. 3, p. 107 - 124, set./dez., 2014.

MARINHO JUNIOR, I. B.; SILVA, J. G. Arquivos e informação: uma parceria promissora. Arquivo & Informação, Rio de Janeiro v. 1, n. 1, jan./jun., p. 15-32, 1998.

MENDEL, T. Liberdade de informação: um estudo de direito comparado. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2009.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, 1993. p. 07-28.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007. 182p.

PRATS, L. Antropología y patrimônio.Barcelona: Ariel, 2004.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos:princípios e técnicas. 6. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SCHMIDT, B. B. Trabalho, justiça e direitos no Brasil: pesquisa histórica e preservação das fontes. São Leopoldo: Oikos, 2010.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 304 p.

SMIT, J. W. Arquivologia/biblioteconomia: interfaces da Ciência da Informação. Informação & Informação, Londrina, v. 8, n. 1, jun./dez. 2003.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1990.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5.ed. São Paulo: Bookman, 2015.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 ÁGORA ISSN 0103-3557

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia