Fundo escola de Teatro Leopoldo Fróes e a aplicabilidade das normas de descrição arquivística

Danilo Ribas Barbiero, Rosani Beatriz Pivetta da Silva, Greta Dotto Simões

Resumo


Este artigo contém a aplicação e a análise de duas normas de descrição arquivística no acervo documental da Escola de Teatro Leopoldo Fróes (ETLF). O fundo institucional integra o arquivo da Casa de Memória Edmundo Cardoso (CMEC), localizada em Santa Maria, RS. As normas aplicadas foram: Norma Internacional de Registro de Autoridade Arquivística para Entidades Coletivas, Pessoas e Famílias - ISAAR (CPF) ea Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE). Os três Instrumentos de Pesquisa (IPs)resultantes desta ação foram: Registro de Autoridade Arquivística da Escola de Teatro Leopoldo Fróes, Descrição do fundo Escola de Teatro Leopoldo Fróes e Descrição das peças teatrais encenadas pela Escola de Teatro Leopoldo Fróes. A implementação das normas de descrição no conjunto documental permitiu demonstrar a sua utilidade na prática arquivística. O estudo também possibilita a produção de mais instrumentos de descrição e de pesquisa na CMEC, assim como em outras instituições custodiadoras de acervos arquivísticos.

Palavras-chave


Arquivos Privados; Normas; Descrição; Instrumento de Pesquisa

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Acervo: Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2007.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS BRASILEIROS – NÚCLEO REGIONAL DE SÃO PAULO. Dicionário de Terminologia Arquivística. São Paulo: Secretaria Estadual de Cultura, 1996.

RECORDS IN CONTEXT: O Modelo Relacional aplicado à Descrição Arquivística? Notícia BAD: Jornal da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, Portugal, 21 mar. 2017. Disponível em:. Acesso em: 8 set. 2017.

BELLOTO, Heloísa Liberalli. Arquivos Permanentes: Tratamento documental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

BELLOTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: Tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BRASIL. Lei n. 8.159 de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 07 de jul. 2017.

CAETANO, L. M. D. O papel do Software Educativo na Aprendizagem da Matemática: um estudo de caso no primeiro ciclo do Ensino Básico. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade dos Açores, 2012.

CAMPOS, J. F. G. Preservando a memória da ciência brasileira: os arquivos pessoais de professores e pesquisadores da Universidade de São Paulo. 2014. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CASTANHO, Denise Molon, et al. Uma política de arranjo documental para a Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria: UFSM, CCSH, Departamento de Documentação, Curso de Arquivologia, 2001.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISAAR (CPF): Norma Internacional de Registro de Autoridade Arquivística para Entidades Coletivas, Pessoas e Famílias: Segunda Edição. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISAD(G): Norma Geral Internacional De Descrição Arquivística. Adotada pelo Comitê de Normas de Descrição, Estocolmo, Suécia, 19-22 de setembro de 1999. 2. ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISDF: Norma Internacional para Descrição de Funções. Tradução de Vitor Manoel Marques da Fonseca. 1. ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISDIAH: Norma internacional para descrição de instituições com acervo arquivístico/Conselho Internacional de Arquivos; tradução de Vitor Manoel Marques da Fonseca. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. Records in context - Portuguese. International Council on Archives, França, 2017.

FOX, Michel. Por que precisamos de normas. Acervo: Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, v.20, n.1-2, p. 23-30, jan./dez., 2007.

KICH, Tassiara Jaqueline Fanck. Usuários e pesquisas do Arquivo da Casa de Memória Edmundo Cardoso. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arquivologia) – Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. 2007.

LOPEZ, André Porto Ancona. Como descrever documentos de arquivo: Elaboração de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002.

OLIVEIRA, ngela Aparecida de; RODRIGUES, Alécia Silva; RODRIGUES, Alex Silva; SOUSA; Ana Paula de Moura. Princípios da descrição arquivística: do suporte convencional ao eletrônico. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p 38-51, ago/dez. 2006.

SCHELLENBERG, Theodore Roosevelt. Arquivos Modernos Princípios e Técnicas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006.

TOGNOLI, N. B. A Arquivística pós-moderna: perspectivas de renovação a partir da redefinição de princípios e conceitos arquivísticos. LUNARDELLI, R. S. A.; ARAUJO, N. C.; VIGNOLI, R. G. (Org.). Arquivologia: saberes docentes e discentes. Londrina: Eduel, 2013.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 ÁGORA ISSN 0103-3557

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia