Paleografia e Grafoscopia: a relevância da transcrição paleográfica e da análise grafotécnica como instrumentos de acesso à informação

Alexandre Edmundo Eltermann Ribeiro

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar a Paleografia como uma ciência que interpreta os manuscritos, possibilitando que a ideia original do documento não se perca. Além de identificar a Grafoscopia como ferramenta para a identificação de características individualizadoras da escrita de cada pessoa. Para tanto, foi utilizada como estudo a ata de instalação e primeira audiência das Juntas de Conciliação e Julgamento do Município de Florianópolis, datada de 05 de junho de 1934. Na transcrição paleográfica foram utilizados como base os conteúdos adquiridos no campo da Paleografia, compreendendo um breve histórico, descrição das normas técnicas utilizadas, além da apresentação de abreviaturas, siglas, expressões e saudações que podem causar dúvidas no momento da transcrição de um manuscrito. Na Grafoscopia, a análise baseou-se na investigação dos hábitos característicos da grafia do autor da ata, abordando-se os aspectos morfológicos, de pressionamento, inclinação axial, entre outras peculiaridades de um traçado autêntico. Por fim, verificou-se a interligação entre a Arquivologia, a Paleografia e a Grafoscopia.

Palavras-chave


Arquivologia; Grafoscopia; Paleografia

Texto completo:

PDF/A

Referências


AXT, Gunter. Justiça Seja Feita!: 32 anos de História do Tribunal Regional do Trabalho de Santa Catarina. Porto Alegre: Leitura XXI/Paiol, 2013.

BARANOSKI, Francis Luiz. Verificação da Autoria de Documentos Manuscritos Usando SVM. 2005. 88 f. Dissertação (Mestrado em Informática Aplicada) - Curso de Informática, Centro de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2005. Disponível em:. Acesso em: 18 out. 2016.

BERWANGER, Ana Regina; LEAL, Eurípides Franklin. Noções de paleografia e diplomática. 4. ed. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2012.

BIVAR, V. dos S. B.; DIAS, M. M.; SAMARA, E. M. Paleografia para o período colonial. In: Paleografia e fontes do período colonial brasileiro. Estudos CEDHAL. Nova série nº11. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP. 2005.

CAMARGO, Paulo Sérgio de. Sua escrita, sua personalidade. São Paulo: Ágora, 2009.

CAVALCANTI, Ascendino; LIRA, Evson da Costa. Grafoscopia essencial. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 1996.

DEL PICCHIA FILHO, José; DEL PICCHIA, Celso Mauro Ribeiro; DEL PICCHIA, Ana Maura Gonçalves. Tratado de Documentoscopia: da falsidade documental. 3. ed. São Paulo: Pillares, 2016.

FALAT, Luiz Roberto Ferreira. Produção da prova pericial grafotécnica no processo civil. Curitiba: Juruá, 2008.

FALAT, Luiz Roberto F.; REBELLO, Hildebrando Magno Filho. Entendendo o laudo pericial grafotécnico & a grafoscopia. Curitiba: Juruá. 2012.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Abreviaturas: manuscritos dos séculos XVI ao XIX. 3.ed. rev. aum. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.

FUSCO, Cláudia. A Bíblia teria sido escrita antes do que pensávamos: matemáticos acreditam que a obra pode ser séculos mais antiga. Revista Galileu-Editora Globo, 13 abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2016.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMIDE Lívio; GOMIDE, Tito Lívio Ferreira. Grafoscopia: estudos. São Paulo: Editora Oliveira Mendes, 1997.

MELLO, Amílcar D’Avila de. Primórdios da justiça no Brasil: coletânea de documentos castelhanos do século XVI. Florianópolis: Teokoá et Orbis, 2014.

MENDES, Ubirajara Dolácio. Noções de paleografia. 2.ed. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008.

NASCIMENTO, José Luciano; RIBEIRO, Alexandre Edmundo Eltermann. TRT 12ª Região: transcrição paleográfica e análise grafotécnica da Ata de instalação e primeira audiência das Juntas de Conciliação e Julgamento do Município de Florianópolis. 2015. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2016.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3.ed.rev.ampl. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: del Rey, 2001. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2016.

SCHELLENBERG, Theodore R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6.ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SWIGGERS, Pierre. Filologia e Linguística: enlace, divórcio, reconciliação. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 2, p.5-18, jun. 1998. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

TONIAZZO, Carmem Lúcia; ANDRADE, Elias Alves de;

KRAUSE, Maria Margareth Costa de. Edição de manuscritos: características paleográficas. POLIFONIA, Cuiabá, n.19, p.43-59, 2009. Disponível em . Acesso em 15 set. 2016.

WALKER, C.B.F. O Cuneiforme. In: ____ Lendo o Passado: Do cuneiforme ao alfabeto. A história da escrita antiga. São Paulo; Editora da Universidade de São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1996, p.21-93.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 ÁGORA ISSN 0103-3557

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia