Terceirização de gestão documental arquivística: um mapeamento na região metropolitana de Florianópolis

Rodrigo Marcelo Gonçalves, Eva Cristina Leite da Silva

Resumo


Este estudo tem como objetivo mapear os serviços arquivísticos contratados por instituições públicas e privadas e os serviços prestados por empresas que terceirizam a Gestão Documental Arquivística na Região Metropolitana de Florianópolis (SC). São abordados conceitos referentes à gestão documental, funções arquivísticas, usuário e terceirização. Dos procedimentos metodológicos para atingir os objetivos do estudo, foi utilizado o tipo de pesquisa exploratória, para abordagem do problema, a pesquisa qualitativa e a quantitativa. Por meio de buscas na web, foram identificadas as empresas que prestam serviços arquivísticos e empresas clientes que os compram. Para mapear os serviços terceirizados foram aplicados dois questionários: um para as empresas prestadoras de serviços arquivísticos e outro para as empresas clientes. Por fim, estimou-se a satisfação das empresas clientes quanto à terceirização do gerenciamento em seus arquivos. Dos resultados referentes às empresas prestadoras, nota-se que os serviços mais contratados/buscados são organização, digitalização e guarda de documentos em meio convencional. Apontam-se ainda em gráfico informações sobre frequência de solicitação dos documentos, procedimentos para envio/entrega do documento e uma estimativa do tempo que leva para ser enviado. Quanto às empresas clientes, nota-se que estão satisfeitas com os serviços arquivísticos terceirizados recebidos. Conclui-se que a temática abordada no estudo é escassa na área da Arquivologia, mas, ainda assim, foi possível atingir os objetivos propostos neste estudo.

Palavras-chave


Arquivologia; Gestão documental; Terceirização

Texto completo:

PDF/A

Referências


BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BERNARDES, I. P.; DELATORRE, H. Gestão Documental Aplicada. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008.

BRASIL. ARQUIVO NACIONAL. Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 230 p.

BRASIL. Lei n. 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF, 9 jan. 1991. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2018.

BRASIL. Lei n. 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF, 18 nov. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. CONARQ. NOBRADE: Norma Brasileira de Descrição Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

CAMPOS, J. R. Aspectos da terceirização e o direito do trabalho. Revista da Faculdade de Direito, São Paulo, v.1, n.1, p. 290-309, 2004. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

CASSARES, N. C. Como fazer conservação preventiva em arquivos e bibliotecas.

São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, Imprensa Oficial, 2000. Disponível em: <. Acesso em: 17. set. 2018.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. CIA. ISAD(G): Norma geral internacional de descrição arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, CONARQ, 2000. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. Princípios de acesso aos arquivos. Orientação técnica para gestão de arquivos com restrições. Tradução: Silvia Ninita de Moura Estevão e Vitor Manoel Marques da Fonseca. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2014. Disponível em:

. Acesso em: 17. set. 2018.

COSTA, M. F. Noções básicas de conservação preventiva de documentos. Fundação Osvaldo Cruz. CICT: Biblioteca de Manguinhos, Laboratório de conservação preventiva de documentos, 2003. 14p.

DRUMOND, M. C. P. Preservação e conservação em museus. 2. ed. Belo Horizonte, 2006.

ESTEVÃO, S. N. M.; FONSECA, V. M. M. A França e o Arquivo Nacional do Brasil. Acervo, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 81-108, jan./jun., 2010.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GIRARDI, D. A terceirização como estratégia competitiva nas organizações. Coletânea Gelre. Série Estudos do Trabalho. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

GHIZONI, V. R; TEIXEIRA, L. C. Conservação preventiva de acervos. Coleção Estudos Museológicos, v. 1, Florianópolis: FCC, 2012. Disponível: . Acesso em: 17. set. 2018.

GONÇALVES, J. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 1998. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

INDOLFO, A. C. Gestão de documentos: uma renovação epistemológica no universo da arquivologia. Arquivística.net, v. 3, n. 2, p. 28-60, 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2018.

JARDIM, J. M. Caminhos e perspectivas da gestão de documentos em cenários de transformações. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 19-50, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

JARDIM, J. M.; FONSECA, M. O. Arquivos. In: CAMPELLO, B.; CALDEIRA, P. T. (Orgs.). Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1991.

MARTINS, S. P. Direito do Trabalho. 28. ed. São Paulo: Atlas, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

OLIVEIRA, M. I. A terceirização das atividades arquivísticas na administração pública federal. Acervo, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 192-205, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

OLIVEIRA, M. I. Classificação e avaliação de documentos: normalização dos procedimentos técnicos de gestão de documentos. Acervo, Rio de Janeiro, v. 20, n. 01/02, p. 133-148, jan./dez. 2007.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer projetos, relatórios, monografias, dissertações e teses. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

PRADE, A. M.; PEREZ, C. B. A importância da gestão documental no contexto do acesso aos documentos e difusão dos arquivos. Ágora, Florianópolis, v. 27, n. 54, 2017. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

ROUSSEAU, J. Y.; COUTURE, C. Os fundamentos da disciplina arquivística. Glossário. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SANTOS, V. B.; INARELLI, H. C.; SOUSA, R. T. B. de (Orgs.). Arquivística: Temas contemporâneos. 3. ed. Brasília, DF: SENAC, 2009.

SPINELLI, J.; BRANDÃO, E.; FRANÇA, C. Manual Técnico de Preservação e Conservação. Arquivo Nacional (Brasil), Fundação Biblioteca Nacional, 2011. 01-47p.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos. Princípios e técnicas. Rio de Janeiro: FGV, 1973.

SOUSA. F. N. Funções Arquivísticas: Contribuições para o cumprimento da Lei de Acesso à informação. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.

SOUSA, R. T. B. Fundo arquivístico: múltiplas leituras a respeito do termo. In.: BARTALO, L.; APARECIDA, N. Gestão em Arquivologia: abordagens múltiplas. Londrina: EDUEL, 2008. Cap. 2. Disponível em: . Acesso em: 17. set. 2018.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 ÁGORA: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia