Teoria do reconhecimento de Axel Honneth: razões para preservar arquivos pessoais

Augusto César Luiz Britto, Analaura Corradi, Danila Gentil Rodriguez Cal Lage

Resumo


A Teoria do Reconhecimento de Axel Honneth surge na metade do século XX como modelo de interpretação dos fenômenos sociais. Podemos elencar os Arquivos Pessoais e os motivos que os seus titulares levaram para preservar seus documentos como um dos fenômenos possíveis a ser estudado mediante essa teoria. Tendo como pressuposto essa possibilidade, esse artigo visa demonstrar a relação entre as Teorias Arquivísticas e a Teoria do Reconhecimento ao se estudar um Arquivo Pessoal específico. O acervo escolhido foi o do Dr. José Maria de Souza custodiado pelo Instituto Evandro Chagas - IEC por conter uma diversidade de tipologias documentais o qual possibilitou um amplo campo para análise e interpretação. Conceitua-se Arquivo e Arquivo Pessoal e disserta-se, baseada na literatura arquivística, os motivos que levam alguém a preservar seus documentos. Contextualiza-se a Teoria do Reconhecimento e o acervo do Dr. José Maria de Souza. Finda com a análise do acervo em estudo tendo como molde a Teoria do Reconhecimento.


Palavras-chave


Arquivo Pessoal; Teoria do Reconhecimento; Arquivologia

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANÍBAL, Alexandra. Vidas escritas: para uma tipologia dos documentos pessoais como fontes de uma sociologia à escala individual – o caso dos Portfólios Reflexivos de Aprendizagens. Lisboa, CIES e-Working Papers (2011).

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 232 p.

ASSIS, Ailton. Um lampião dentro da mala: O Arquivo Pessoal de Octávio Pacheco – memória e autobiografia. São João Del Rei, 2009. 264f. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal de São João Del Rei, 2009.

BRASIL, Lei n. 8.159, de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a Política de Arquivos Públicos e Privados. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 09 jan. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/l8159.htm. Acesso em: 20 ago. 2018

CAMARGO, Ana; GOULART, Silvana. Tempo e circunstância: a abordagem contextual dos arquivos pessoais. São Paulo: Instituto Fernando Henrique (IFHC). 2007. 316 p.

COX, Richard. Arquivos Pessoais: Um novo campo profissional. Leituras, reflexões e reconsiderações. Belo Horizonte: UFMG, 2017.

DEKKER, R. Jacques Presser’s Heritage: Egodocuments in the Study of History. Memoria y Civilización (MyC), 5, 2002.

FUJISAWA, Vivian. Arquivos Pessoais: Proposta de organização do acervo do cartunista Santiago. 60p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquivologia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

GROFβE, Sybille. Cartas e correspondência ordinária como ego-documentos na análise linguística. Revista Linguística/Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 11, número 2, dezembro de 2015.

HEYMANN, Luciana. Arquivos pessoais em perspectiva etnográfica. In: TRAVANCAS, Isabel; ROUCHOU, JoËlle. Heymann, Luciana; Arquivos pessoais: reflexões multidisciplinares e experiências de pesquisa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2013. 284p.

HONNETH, Axel. A luta por reconhecimento. A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34. 2009. 293p.

KLINGER, Diana. Escrita de si, escritas do outro: autoficção e etnografia na narrativa Latino-Americana contemporânea. 205p. Tese de Doutorado (Letras). Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2006.

LE-GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Unicamp, 1990.

LISBOA, Araci. O livro, a parede e os arquivos pessoais. In: SILVA, Maria C. S de Melo e; SANTOS, PAULO R. E. dos (orgs.). Arquivos Pessoais: História, preservação e Memória da Ciência. Rio de Janeiro: FAPERJ. 2012. 191p.

MCKEMMISH, Sue. Provas de mim… Novas considerações. In: TRAVANCAS, Isabel; ROUCHOU, JoËlle. Heymann, Luciana; Arquivos pessoais: reflexões multidisciplinares e experiências de pesquisa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2013. 284p.

MENDONÇA, Ricardo. Reconhecimento e deliberação: as lutas das pessoas atingidas pela hanseníase em diferentes âmbitos interacionais. 385p. Tese (Doutorado em Comunicação Social), Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

MOSTACERO, Rudy. Persona y subjetividad em um ego-documento: El caso Roland Barthes. Zulia – Venezuela, Revista Lingua Americana, 2006.

MUNDET, José. Manual de archivística. Madrid: FGSR, 1994.

NEME, Izabel. Arquivo Pessoal de João Antônio (1937-1996): possibilidades de pesquisa. Patrimônio e Memória. Assis/SP, v.1, n.1, p. 114-120, 2005.

OLIVEIRA, Lucia. Descrição e pesquisa: Reflexões em torno dos Arquivos Pessoais. Rio de Janeiro: Móbile, 2012.

SAAVEDRA, Giovani; SOBOTTKA, Emil. Introdução à teoria do reconhecimento de Axel Honneth. Civitas, Porto Alegre, v. 8, n.1, p. 09-18, 2008.

SANTOS, Paulo. Arquivos de Cientistas: gênese documental e procedimentos de organização. São Paulo: ARQ-SP, 2012.

SVICERO, Thais. Os Arquivos Pessoais e sua importância como patrimônio documental e cultural. Revista História e Cultura, Franca, v.2, n.1, p. 221-237, 2013.

VOGAS, Ellen. Estratégias e possibilidades dos Arquivos Pessoais frente aos novos usos dos documentos arquivísticos: O Arquivo Darcy Ribeiro. 108p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Informação), Universidade Federal Fluminense, 2011.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia