O princípio da territorialidade nas fronteiras da arquivologia e da história

Fernando Gabriel Corrêa, Angelica Alves da Cunha Marques

Resumo


O artigo trata das relações entre a Arquivologia e a História, a partir do Princípio da Territorialidade. A importância desse estudo está na possibilidade de uma melhor compreensão dos diálogos teóricos e práticos entre essas duas disciplinas, já que o documento de arquivo é um objeto que une esses dois campos do saber. O objetivo é entender como ocorrem as interlocuções entre a Arquivologia e a História por meio do Princípio Arquivístico da Territorialidade. Metodologicamente, o artigo possui uma abordagem qualitativa, exploratória, descritiva e explicativa. Com base em uma pesquisa bibliográfica na literatura dessas disciplinas, retoma-se o desenvolvimento histórico da Arquivologia como disciplina científica e os seus diálogos com a História. Os resultados apontam as contribuições do Princípio da Territorialidade para a Arquivologia, a função do documento de arquivo como prova e testemunho, os instrumentos de pesquisa como meios para a identificação e recuperação de documentos e, ainda, o documento de arquivo como um elo entre as duas disciplinas. 


Palavras-chave


Arquivologia; História; Princípio da Territorialidade

Texto completo:

DOC PDF

Referências


ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivística: objetos, princípios e rumos. São Paulo: Associação de Arquivistas de São Paulo, 2002.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivo: estudos e reflexões. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Diplomática e Tipologia Documental. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 2008.

BRASIL. Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Brasília, DF, jan. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8159.htm. Acesso em: 01 jul. 2019.

BOURDIEU, Pierre. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2001.

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA MESA REDONDA DOS ARQUIVOS, 17, Cagliari. Constituição e Reconstituição dos Patrimônios Arquivísticos Nacionais. Paris, 1977.

CLOONAN, Michèle V. Preservando documentos de valor permanente. In: EASTWOOD, Terry; MACNEIL, Heather (Orgs.). Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016.

CRUZ MUNDET, José Ramón. Manual de Archivistica. Madrid: Fundación Germán Sánches Ruipérez, 2008.

DELACROIX, Christian; DOSSE, François; GARCIA, Patrick. As correntes históricas na França: Séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como prova de ação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 49-64, jan./jun. 1994.

FAVIER, Jean. Los arquivos, memoria de la humanidad. El correo de la Unesco. Paris: Unesco, 1978.

GLÉNISSON, Jean. Iniciação aos estudos históricos. Rio de Janeiro-São Paulo: Difel, 1977.

JENKINSON, Hilary. A Manual of archive administration. 2. ed. London: Percy Lund, Humphries and Co., 1948.

KUROKI, Ívina Flores Melo. Demarcações conceituais dos princípios científicos da Arquivologia e da Ciência da Informação: contribuições para a configuração científica das disciplinas no Campo da Informação. 2016. 141 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

LANGLOIS, Charles-Victor; SEIGNOBOS, Charles. (1898). Introduction aux etudes historiques. Paris: Kimé, 1992. Tradução portuguesa: Introdução aos estudos históricos. São Paulo: Renascença, 1946.

LODOLINI, Elio. Archivistica: princípios y problemas. Madrid: Editorial La Muralla,1993.

MACNEIL, Heather. Trusting records in a postmodern world. Archivaria, Ottawa, n. 51, p. 36-47, 2001.

MARQUES, Angelica Alves da Cunha. Interlocuções entre a Arquivologia nacional e internacional no delineamento da disciplina no Brasil. 2011. 399 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

PROST, Antonie. Doze lições sobre a história. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Tradução Magda Figueiredo. Lisboa: Dom Quixote, 1998.

SCHMIDT, Clarissa Moreira. Arquivologia e a construção do seu objeto científico: concepções, trajetórias, contextualizações. 2012. 320 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SILVA, Armando Malheiro da. et al. Arquivística: teoria e prática de uma Ciência da Informação. Porto: Afrontamento, 1999.

TAYLOR, Hugh. Archival services and the concept of the user: a RAMP study. Paris: Unesco, 1984.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia