Elaboração de um manual de gestão de documentos finalísticos para uma instituição de saúde: o caso do Instituto Evandro Chagas

Augusto César Luiz Britto, Analaura Corradi

Resumo


O

O presente trabalho apresenta as ações desempenhadas na elaboração do Manual de Gestão dos documentos finalísticos do Instituto Evandro Chagas – IEC. Em 2013, durante o período de estruturação do Setor de Arquivo - SEARQ, percebeu-se a necessidade de tratar arquivisticamente os documentos produzidos e recebidos pelo Instituto, porém o mesmo não contava com um Manual de Gestão que contemplasse o Plano de Classificação  e a Tabela de Temporalidade referente aos seus documentos finalísticos. Diante desse cenário, em 2017, iniciou-se as atividades para a elaboração dos instrumentos de gestão documental tendo como subsidio a metodologia sugerida pelo Manual denominado “Como elaborar Plano de Classificação e Tabela de Temporalidade de Documentos: atividades-fim” do Arquivo do Estado de São Paulo (2005). Entre as principais ações destaca-se o levantamento documental realizado em todas as unidades do IEC que contemplassem as atividades de pesquisa, vigilância em saúde e/ou ensino (finalísticas) no intuito de compreender o contexto de produção e o fluxo desses documentos. O artigo apresenta os resultados do estudo realizado antes e durante o levantamento documental ao apresentar as funções e atividades do IEC e a relação dos mesmos com os documentos produzidos, além de sua materialização no instrumento de gestão proposto.


Palavras-chave


Gestão Documental; Plano de Classificação Documental; Tabela de Temporalidade Arquivística; Instituto Evandro Chagas;

Texto completo:

DOC PDFA

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução nº 306 de 07 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial da União, Brasília/DF: 2004.

ARQUIVO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Como elaborar plano de classificação e tabela de temporalidade de documentos: atividades-fim. São Paulo/SP: 2005.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro/RJ, 2005.

ARQUIVO NACIONAL. Portaria nº 92 de 23 de novembro de 2011. Aprova o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo relativos às Atividades-Fim das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). Diário Oficial da União, Rio de Janeiro/RJ: 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 15189 - Laboratórios clínicos: requisitos de qualidade e competência. Rio de Janeiro/RJ: 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 17025 - Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração. Rio de Janeiro/RJ: 2005.

BERNARDES, I; DELATORRE, H. Gestão documental aplicada. São Paulo/SP: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008.

CAMARGO, Ana. Contribuição para uma abordagem diplomática dos arquivos pessoais. Estudos históricos, Rio de Janeiro/RJ, v. 11, n. 21, p. 169-175, 1998.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Resolução nº 14 de 24 de outubro de 2001. Dispõe sobre o Código de Classificação de Documentos de Arquivo para a Administração Pública: Atividades-Meio. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro/RJ: 2001.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.472/97, de 07 de fevereiro de 1997. Determina a temporalidade de guarda dos laudos cito-histopatológicos ou anatomopatológicos. Diário Oficial da União. Brasília/RJ: 1997.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.638/02, de 09 de agosto de 2002. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2002.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.821/07. Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos dos prontuários dos pacientes, autorizando a eliminação do papel e a troca de informação identificada em saúde. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2007.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE. Resolução nº 358 de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro/RJ: 2005.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução nº 441 de 12 de maio de 2011. Aprova as diretrizes para análise ética de projetos de pesquisas que envolvam armazenamento de material biológico humano ou uso de material armazenado em pesquisas anteriores. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2011.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2012.

FREIRE, Caroline. Técnicas de arquivamento em saúde. São Paulo/SP: Érica, 2014.

GIL, A. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo/SP: Atlas, 2007.

GONÇALVES, J. Como classificar e ordenar documentos de Arquivos. São Paulo/SP: Arquivo do Estado, 1998.

INDOLFO, A. Gestão de documentos: uma renovação epistemológica no universo da Arquivologia. Arquivística.net, Rio de Janeiro/RJ, v.3, n.2, p. 28-60, 2007.

INSTITUTO EVANDRO CHAGAS. Conhecendo o IEC. Ananindeua/PA: 2007.

INSTITUTO EVANDRO CHAGAS. IEC em destaque. Ananindeua/PA: 2014.

LOPES, Luiz Carlos. Arquivópolis: uma utopia pós-moderna. Ciência da Informação. Brasília/DF, v. 22, n. 1, p. 41-43, jan./abr. 1993. Disponível em: http://www.tjrj.jus.br/institucional/dir_gerais/dgcon/degea/pdf/not_e_even/arquivopolis.pdf . Acesso em: 20 out. 2019.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Manual de gestão documental. Rio de Janeiro/RJ: 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biossegurança em saúde: prioridades e estratégias de ação. Brasília/DF: 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 3204 de 20 de outubro de 2010. Aprova Norma Técnica de Biossegurança para Laboratórios de Saúde Pública. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Resolução n° 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2012

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n° 04 de 28 de setembro de 2017. Consolida as normas sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde, a organização e o funcionamento do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2017.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. Norma Regulamentadora nº 32 de 11 de novembro de 2005. Estabelece as normas de segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. Diário Oficial da União. Brasília/DF: 2005.

MORIYA, T.; MÓDENA, J. Assepsia e antissepsia: técnicas de esterilização. Revista Medicina Ribeirão Preto, v. 41, n. 3, p. 265-273, 2008.

RODRIGUES, A. C. Identificação arquivística como requisito metodológico do programa de gestão de documentos do governo do estado do Rio de Janeiro (PGD-RJ): reflexões sobre a construção teórica dos procedimentos e instrumentos. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 13., 2012, Rio de Janeiro. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Rio de Janeiro/RJ, 2012. Disponível em: http://www.eventosecongressos.com.br/metodo/enancib2012/arearestrita/pdfs/19564.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

TELESI JUNIOR, E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estudos Avançados, v. 30, n. 86, p. 99-112, Apr. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103 40142016000100099&lng=en&nrm=isso . Acesso em: 21 set.2018.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia