Uma análise acerca da cadeia de custódia de documentos arquivísticos do poder executivo de São Francisco de Assis

Fabiana Ciocheta Mazuco, Daniel Flores

Resumo


O artigo apresenta uma abordagem acerca do patrimônio arquivístico documental da instituição e seu envolvimento com princípios e conceitos da arquivística, da implementação de um Sistema Municipal de Arquivos, classificação e temporalidade de documentos arquivísticos, abordagem teórica sobre cadeia de custódia, bem como da implementação de uma plataforma de acesso, descrição e difusão aos documentos arquivísticos digitais no Setor de Patrimônio Público Municipal de São Francisco de Assis. Estes documentos, diplomaticamente analisados, são reconhecidos como patrimônio documental arquivístico e representados através de uma forma fixa e conteúdo estável. As escrituras públicas dos imóveis servem como exemplo de fonte de prova no que tange ao patrimônio público municipal. Este artigo justifica-se por entender que a implementação de um ambiente de acesso oferece transparência ativa e garantia de acesso continuado. Descreveu-se também a evolução das experiências e aplicabilidade das metodologias e atos normativos institucionais, enfatizando o perfil do profissional Arquivista diante do cenário institucional. Por fim, foram elaboradas recomendações sobre a implementação e o uso do software livre AtoM (Access to memory) como plataforma de acesso no Setor de Patrimônio Público Municipal, perpassando etapas de produção e preservação, normalização e possibilidade de interoperabilidade com outros softwares.


Palavras-chave


Patrimônio documental; Cadeia de custódia; Preservação documental;

Texto completo:

DOC PDFA

Referências


BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011: regulamenta o direito constitucional de aces-so às informações públicas. Disponível em: http://www.acessoainformacao.gov.br/assuntos/conheca-seu-direito/a-lei-de-acesso-a-informacao. Acesso em: 25 jan. 2018.

BRASIL. Tesouro Nacional. Portaria nº 548, de 24 de setembro de 2015: dispõe sobre prazos-limite de adoção dos procedimentos contábeis patrimoniais aplicáveis aos entes da Federação, com vistas à consolidação das contas públicas da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municí-pios, sob a mesma base conceitual. Disponível em: https://www.tesouro.fazenda.gov.br/.../Portaria+STN+548+2015.../73e5e615-ccbe-40. Acesso em: 15 fev. 2018.

BRASIL. ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística (DBTA). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Publicações Técnicas; nº 51. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf. Acesso em: 20 jul. 2017.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Glossá-rio da CTDE, Glossário: Versão 4.0 - Julho de 2008. Rio de Janeiro: CONARQ-CTDE, 2008. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/ctde/Glossario/2016-CTDE-Glossario_V7_public.pdf. Acesso em: 22jul 2017.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. e-ARQ Brasil: modelo de requisitos para sistemas informatizados de gestão arquivística de documen-tos. [Em linha]. Rio de Janeiro: CONARQ-CTDE, 2011. [Consult. 18 ago. 2018]. Disponível em:

http://www.conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/earqbrasil_model_requisitos_2009.pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretri-zes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais / Resolução nº 37, de 19 de dezembro de 2012. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/conarq_presuncao_autenticidade_completa.pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretri-zes do Produtor - A Elaboração e a Manutenção de Materiais Digitais: Diretrizes Para Indiví-duos e Diretrizes do Preservador - A Preservação de Documentos Arquivísticos digitais: Dire-trizes para Organizações / Resolução nº 38, de 09 de julho de 2013: dispõe sobre a adoção das Diretrizes do Produtor – A Elaboração e a Manutenção de Materiais Digitais: Diretrizes Para Indiví-duos e Diretrizes do Preservador- A Preservação de Documentos Arquivísticos digitais: Diretrizes para Organizações. Disponível em:

http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/. Acesso em: 25 jan. 2018.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de documentos eletrônico. Resolu-ção nº 39, de 29 de abril de 2014. Estabelece diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis para o arquivamento e manutenção de documentos arquivísti-cos digitais em suas fases corrente, intermediária e permanente, dos órgãos e entidades inte-grantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR. Disponível em:

http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/. Acesso em: 25 jan. 2018.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de documentos eletrônico. Resolu-ção nº 31, de 28 de abril de 2010. Dispõe sobre a adoção das Recomendações para Digitalização de Documentos Arquivísticos Permanentes. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/. Acesso em: 25 jan. 2018.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de documentos eletrônico. Resolu-ção nº 41, de 09 de dezembro de 2014. Dispõe sobre a inserção dos documentos audiovisuais, iconográficos, sonoros e musicais em programas de gestão de documentos arquivísticos dos ór-gãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR, visando a sua preser-vação e acesso. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/. Acesso em: 25 jan. 2018.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de documentos eletrônico. Resolu-ção nº 43, de 04 de dezembro de2 015. Altera a redação da Resolução do CONARQ nº 39, de 29 de abril de 2014, que estabelece diretrizes para a implementação de repositórios digitais con-fiáveis para a transferência e recolhimento de documentos arquivísticos digitais para institui-ções arquivísticas dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SI-NAR. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/. Acesso em: 25 jan. 2018.

CONARQ (Conselho Nacional de Arquivos). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Orien-tação Técnica nº03-novembro 2015. [Em linha]. Rio de Janeiro: CONARQ-CTDE, 2015. Disponí-vel em: http://www.conarq.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_rdcarq_2015v8_pub.pdf. Acesso em: 18 ago. 2018.

COSTA, Eliandro dos Santos. A descrição arquivística e a recuperação da informação na pro-posta de um modelo conceitual de sistemas informatizados de gestão arquivística de documen-tos: um estudo em instituições de ensino superior. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista.Marília: UNESP, 2018.

DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos. In. Revista estudos eminis-tras/Estudos Históricos.UFRJ: Rio de Janeiro, 1994.

DURANTI, L. Diplomática: novos usos para uma antiga ciência (parte V). In. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 196-215, jan./jun. 2015.

EASTWOOD, Terry. Um domínio contestado, a natureza dos arquivos e a orientação da ciência arquivística. In: EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. (Orgs). Correntes atuais do pensamento arquivís-tico. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2016. p.19-45.

EASTWOOD, Terry; HOFMAN, Hans; PRESTON, Randy. Part Five— Modeling Digital Rec-ords Creation, Maintenance and Preservation: Modeling Cross-domain Task Force Report [electronic version]. In. International Research on Permanent Authentic Records in Electronic Sys-tems (InterPARES) 2: Experiential, Interactive and Dynamic Records, Luciana Duranti and Randy Preston, eds. (Padova, Italy: Associazione Nazionale Archivistica Italiana, 2008).

FLORES, Daniel. Documentos arquivísticos digitais: gestão, preservação e acesso. Palestra. Porto Alegre - RS. 80 slides, color, Padrão Slides Google Drive/Docs 4x3. Material elaborado para Pales-tra na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grandedo Sul, no I Seminário de Preservação Digi-tal. 07de agosto de 2017. Disponível em: http://documentosdigitais.blogspot.com. Acesso em:13 fev. 2018.

FLORES, Daniel. Cadeia de custódia dos documentos arquivísticos digitais: do SIGAD ao RDC-Arq. Palestra. UFES. Vitória - ES. 76 slides, color, Padrão Slides Google Drive/Docs 4x3. Material elaborado para a Palestra no Curso de Arquivologia, 16 de junho de 2016. Disponível em: http://documentosdigitais.blogspot.com. Acesso em: 13 fev. 2018.

FLORES, Daniel; ROCCO, Brenda C. de Brito; SANTOS, Henrique Machado dos. Cadeia de custódia para documentos arquivísticos digitais. In. Acervo, rio de janeiro, v. 29, n. 2, p. 117-132, jul./dez. 2016.

FLORES, Daniel; LUZ, Charlley dos Santos. Cadeia de custódia e de preservação: autenticidade nas plataformas de gestão e preservação de documentos arquivísticos. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325225229. Acesso em 22 jul. 2019.

INNARELLI, Humberto Celeste. Gestão da preservação de documentos arquivísticos digitais: proposta de um modelo conceitual. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) da Escola de Comunicação e Artes (ECA/USP). São Paulo: USP, 2015.

INTERPARES 2 PROJECT. Diretrizes do Produtor. A elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos De-putados. 2007. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/diretrizes_produtor_digital.pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

JENKINSON, H. A. Manual of archive administration. 2nd ed. London: Percy Lund, Hum-phries,1992.

LUZ, Charlley dos Santos. Curadoria digital, custódia arquivística e preservação digital: rela-ções possíveis. In. Páginas a&b. S.3, nº 10 (2018) 92-103 Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/330704169_CURADORIA_DIGITAL_CUSTODIA_ARQUIVISTI-CA_E_PRESERVACAO_DIGITAL_relacoes_possiveis_DIGITAL_CURATION_ARCHIVAL_CUSTODY_AND_DIGITAL_PRESERVATION_some_relations. Acesso em: 22 jul. 2019.

ROCHA, Rafael Port. da et al. Proposta de criação de uma rede de dados abertos da pesquisa brasileira. BIREDIAL - ISTEC. UFRGS. 2017. p. 256.

RODRIGUES, Ana Márcia Lutterbach. Uma análise da teoria dos arquivos. Dissertação (Mestra-do em Ciência da Informação) na Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais: UFMG, 2004.

RONDINELY, Rosely Curi. O conceito de documento arquivístico frente à realidade digital: uma revisitação necessária. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) na Universidade Federal Fluminense. Niterói: UFF, 2011.

SANTOS, Henrique Machado dos y Flores, Daniel. Preservação do patrimônio documental ar-quivístico em ambiente digital. Revista Acervo. Palabra Clave, La Plata, v.7, n.1, e 029, 2017. Disponível em:https://doi.org/10.24215/18539912e029. Acesso em: 16 fev. 2018.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. Estratégias de preservação digital para do-cumentos arquivísticos: uma breve reflexão. Cadernos BAD, n. 1, p.87-101, jan./jun. 2015. Dispo-nível em: www.bad.pt/publicacoes/index.php/cadernos/article/download/1225/pdf_16. Acesso em: 25 jan. 2018.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. Preservação de documentos arquivísticos digitais autênticos: reflexões e perspectivas. Revista Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n.1,p.241-253,jan./jun. 2015. Disponível em: http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/article/view/603. Acesso em: 25 jan. 2018.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. Preservação do patrimônio documental arquivístico em ambiente digital. In. Palabra Clave (La Plata), vol. 7, n° 1, octubre 2017. Disponí-vel em: http://www.palabraclave.fahce.unlp.edu.ar/article/view/PCe029/8819. Acesso em: 22 jul. 2019.

SILVA, Margareth da. O arquivo e lugar: a custódia arquivística como responsabilidade pela proteção aos arquivos. Tese (Doutorado em História Social) do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2015. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-22122015-093801/pt-br.php. Acesso em: 12 abr. 2017.

TOMAÉL, Maria Inês. Compartilhamento da informação. Londrina: Eduel, 2012.

TOMAÉL, Maria Inês. Fontes de informação digital. Londrina: Eduel, 2016.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia