As questões de memória e a organização das nações unidas: a aplicação dos princípios arquivísticos e da diplomática nos documentos digitais

Caroline Teixeira da Silva Polli, Letícia Gorri Molina

Resumo


A memória é um tema que vem sendo estudado em diversos aspectos, principalmente sobre o prisma da Ciência da Informação. Dentre os vários tipos de memória que podem ser observados, tanto a memória institucional quanto a memória organizacional vêm ganhando destaque, uma por sua característica social e a outra por ser uma nova estratégia de gestão administrativa. Nesse sentido os documentos produzidos pelas entidades, responsáveis por transmitir a memória destas, precisam de tratamento especializado para que os novos avanços tecnológicos não acabem por tornar esses documentos de memória inutilizáveis.  A utilização dos princípios arquivísticos e da diplomática nos documentos de memória produzidos pela entidade podem ser um tipo de gestão e otimização dessa memória. Dentre as diversas entidades que exercem grande influência social, a Organização das Nações Unidas, ONU, é uma das mais importantes, pois tem objetivos que dizem respeito a todas as nações, ultrapassando questões étnicas, religiosas e territoriais. Nesse sentido o presente trabalho tem como objetivo geral debater sobre a memória constante nos documentos de caráter arquivístico disponibilizados pelas entidades e como objetivos específicos definir se existe alguma separação entre memória organizacional e memória institucional, verificar se a diplomática e os princípios arquivísticos podem ser aplicados no tratamento de documentos de memória, averiguar as questões pertinentes ao acesso e a recuperação da documentação arquivística de memória, analisar os documentos disponibilizados pela ONU em seu sítio virtual conforme os critérios deste estudo, auferindo se são documentos arquivísticos de memória, que tipo de memória podem exprimir e se são passíveis de receberem tratamento arquivístico, tanto pela diplomática quanto pelos princípios clássicos arquivísticos. Deste modo, por meio de pesquisa exploratória de dados secundários, com a aplicação do método de pesquisa bibliográfica e documental, uso de método indutivo e análise de resultados qualitativa, o presente estudo das relações entre a memória e ONU tem relevância não só na área acadêmica como também para a sociedade. Com a utilização de diversos autores de diversas Ciências diferentes, numa abordagem interdisciplinar, se buscará descrever esta relação.ma abordagem interdisciplinar, se buscará descrever esta relação.


Palavras-chave


Memória; Memória institucional; Organização das Nações Unidas; Diplomática; Princípios Arquivísticos

Texto completo:

DOC PDFA

Referências


ARISTÓTELES. De Memoria et Reminiscentia. In: ARISTÓTELES. Parva Naturalia. Londres: Universidade de Oxford, 1908.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/br/publicacoes/publica%C3%A7%C3%B5es-t%C3%A9cnicas/dicion%C3%A1rio-brasileiro-de-terminologia-arquiv%C3%ADstica-detail.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

BARRENECHEA, Miguel Angel de. Nietzsche e a genealogia da memória social. In: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera. O que é memória social? Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 2005.

BARROS, José D’Assunção. História e memória – Uma relação na confluência entre tempo e espaço. MOUSEION, v. 3, n. 5, jan./jul. 2009. Disponível em: http://www.unilasalle.edu.br/museu/mouseion/historia_memoria.pdf. Acesso em: 5 de jul. 2018.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivo: Estudos e reflexões. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014a.

BELLOTTO. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo Do Estado, Imprensa Oficial, 2002.

BELLOTTO. O sentido dos arquivos. In: I Ciclo de Palestras da Diretoria de Arquivos Institucionais (DIARQ). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2014b. Disponível em: https://www.ufmg.br/diarq/anexos/wfd_14012774465385cc06bbb48--fala_bellotto.pdf. Acesso em 25 out. 2018.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. [1988]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 02 set. 2018.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 05 jul. 2018.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Sobre espécies e tipos documentais. In: ARDAILLON, Danielle. Dar nome aos documentos: da teoria à prática. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2015.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos na Empresa: pessoas, organizações e sistemas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

COMPARATO. Fábio Konder. A afirmação histórica dos Direitos Humanos. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

COSTA, Icléia Thiesen Magalhães. Memória institucional: a construção conceitual numa abordagem teórico-metodológica. 1997, 169f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro / Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro. Disponível em: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/686. Acesso em: 24 de maio 2018.

DAVIDOFF, Linda. Introdução à psicologia. 3. ed. São Paulo: Pearso Makron Books, 2001.

DODEBEI, Vera. Cultura Digital: novo sentido e significado de documento para a memória social? DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, [s. l.], v. 12, n. 2, abr. 2011. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2011/04/pdf_15b7c5a842_0016272.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

DODEBEI, Vera. Patrimônio e memória digital. Revista Morpheus - Estudos Interdisciplinares em Memória Social, [s. l.], v. 5, n. 8, mar. 2015. Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/view/4759/4250. Acesso em: 18 nov. 2018.

DURANTI, Luciana. Diplomatics. In: Encyclopedia of Library and Information Science. New York: Marcel Dekker, 2009. Disponível em: https://www.academia.edu/11514414/Diplomatics_--_Encyclopedia_Entry. Acesso em: 18 nov. 2018.

FACHIN, Melina Girardi. Fundamentos dos Direitos Humanos: Teoria e práxis na cultura da tolerância. Rio de Janeiro: Renovar, 2009.

GONDAR, Jô. Quatro Proposições sobre Memória Social. In: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera. O que é memória social? Rio de Janeiro: UNIRIO, 2005.

GUERRA, Bernardo Pereira de Lucena Rodrigues. Direito internacional dos direitos humanos. 2. tir. Curitiba: Juruá, 2007.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. 3. ed. São Paulo: Iluminuras LTDA., 1995.

INTERNACIONAL CONFERENCE ON THE RIGHT PUBLIC INFORMATION. Declaração de Atlanta e plano de ação para o avanço do direito de acesso à informação, 2008. Disponível em: https://www.cartercenter.org/resources/pdfs/peace/americas/atlanta_declaration_unofficial_portuguese.pdf. Acesso em: 23 nov. 2018.

IZQUIERDO, Iván. Memória. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

JARDIM, José Maria. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação, [s. l.], v. 25, n. 2, ago. 1995. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/659. Acesso em: 03 jul. 2018.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos da Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LE GOFF, Jacques, História e memória. Campinas: UNICAMP, 1990.

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. katálysis, Florianópolis, v. 10, p. 37-45, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802007000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 maio 2018.

MATOS, Maria Teresa Navarro de Britto. Memória Institucional e Gestão Universitária no Brasil: o caso da Universidade Federal da Bahia. Tese (Doutorado em Educação). 184 f. Orientador Professor Edivaldo Boaventura. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10976. Acesso em: 17 jun. 2018.

MEMÓRIA. In: MICHAELIS. Dicionário brasileiro da língua portuguesa. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/busca?id=3wQeZ. Acesso em: 17 maio 2018.

MERLO, Franciele; KONRAD. Glaucia Vieira Ramos. Documento, História e Memória: A Importância da Preservação do Patrimônio Documental para o Acesso à Informação. Londrina: Informação & Informação, v. 20, n. 1, p. 26 – 42, jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/18705/pdf_43.

Acesso em: 16 abr. 2018.

MOLINA, Letícia Gorri; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Memória organizacional, memória corporativa e memória institucional: discussões conceituais e terminológicas. Revista EDICIC, [s. l.], v. 1, n.1, p. 262-276, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/115215. Acesso em: 05 jul. 2018.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, [s. l], v. 10 out. 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101. Acesso em: 05 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Carta das Nações Unidas. 1945. Disponível em: https://nacoesunidas.org/carta/. Acesso em: 05 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Conheça a ONU. 2018. Disponível em: https://nacoesunidas.org/conheca/. Acesso em: 05 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pd. Acesso em: 05 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Documentos e publicações das Nações Unidas. [20--?]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/docs/. Acessado em: 02 set. 2018

OTLET, Paul. Documentos e documentação. 1937. Disponível em: http://www.conexaorio.com/biti/otlet/. Acesso em: 02 jul. 2018.

PEREIRA, Danilo Moura. SILVA, Gislane Santos. As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) como aliadas para o desenvolvimento. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, Vitória da Conquista/BA, n. 10, 2010. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/cadernosdeciencias/article/view/884. Acesso em: 05 de jul. 2018.

PRODANOV, Cleber Cristiano. FREITAS. Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAMOS, André de Carvalho. Curso de direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2014.

RAMOS, André de Carvalho. Teoria geral dos direitos humanos na ordem internacional. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

ROSÁRIO. Cláudia Cerqueira do. O lugar mítico da memória. Morpheus - Revista Eletrônica em Ciências Humanas, [s. l.], v. 1, n. 1, set. 2014. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/view/4011. Acesso em: 19 set. 2018.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

RICOEUR. Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

RUEDA, Valéria Matias da Silva; FREITAS, Aline de; VALLS, Valéria Martin. Memória Institucional: uma revisão de literatura. Revista CRB8 Digital, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 78-89, abr. 2011. Disponível em: https://docplayer.com.br/18309370-Espaco-discente-memoria-institucional-uma-revisao-de-literatura.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

SANTOS. Myrian Sepúlveda dos. Memória Coletiva e Identidade nacional. São Paulo: Annablume, 2013.

TELLES, Telmo; KARAWEJCZYK, Tamara Cecília; BORGES, Maria de Lourdes. Memória Organizacional: Construção Conceitual numa abordagem Teórica-Metodológica. VVII Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Gramado. 2014.

THIESEN, Icléa. Memória Institucional. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

TOGNOLI, Natália Bolfarini. A construção teórica da diplomática: em busca da sistematização de seus marcos teóricos como subsídio aos estudos arquivísticos. 2013. 162 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2013. Disponível em: http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/tognoli_nb_do_mar.pdf. Acesso em: 06 abr. 2018.

UNITED NATION (UN). History. [20--?]. Disponível em: http://www.un.org/en/sections/history/history-united-nations/index.html. Acesso em: 17 set. 2018.

UNITED NATION (UN). Home. 2018. Disponível em: http://www.un.org. Acesso em: 05 jul. 2018.

YATES, Frances. The art of Memory. Londres: Ark Paperbacks, 1984.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia