O fluxo de informação nas instituições hospitalares e a gestão de documentos

Marli Batista Fidelis, Josivaldo Soares Ferreira, Maria José Cordeiro de Lima

Resumo


A gestão documental dinamiza as atividades de produção, tramitação, classificação, avaliação e arquivamento dos documentos, otimizando tanto o fluxo informacional, quanto toda a rotina administrativa de uma instituição. Partindo desse princípio, esse artigo busca refletir sobre a importância da gestão de documentos aos serviços de informação e ao atendimento nas instituições hospitalares. Em termos metodológicos, o trabalho buscou articular-se com uma abordagem qualitativa, do tipo o exploratório descritivo. Tomamos como espaço empírico o Hospital Paraibano (HP), no qual aplicamos questionário, como instrumento de coleta de dados, construído na perspectiva mista. Mediante a análise dos dados, percebemos que os serviços de informação do referido hospital tem se realizado de maneira pouco satisfatória, dificultando o atendimento aos usuários/pacientes. Concluímos que a implantação de uma gestão documental na instituição hospitalar se faz necessário, pois concorrerá para a otimização do fluxo de informações e o aperfeiçoamento da assistência médica prestada à população.

 

Palavras-chave


Gestão de documento; Informação Hospitalar; Prontuário; Arquivo Médico

Texto completo:

PDF/A

Referências


BELLOTTO, Heloisa Liberalli. Arquivo Permanente: Tratamento Documental. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

BRASIL. Lei nº. 8.159 de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 09 de janeiro de 1991, seção 1, p. 455.

BRASIL. Decreto nº. 1.651, de 28 de setembro de 1995. Regulamenta o Sistema Nacional de Auditoria no âmbito do

Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 set. 1995. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2013.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução n°. 1.638/2002. Brasília, 2002. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2013.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução n°. 1.639/2002. Brasília, 2002. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2013.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Dispõe sobre as diretrizes para a avaliação de documentos em instituições de saúde. Resolução nº 22, de 30 de junho 2005. Diário Oficial da União nº 126, seção 1, p. 4. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2012.

FRANÇA, Genival Veloso de. Prontuário Médico. Café Acadêmico, 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2013.

INDOLFO, Ana Celeste et al. Gestão de Documentos: conceitos e procedimentos Básicos. (Publicações técnicas). Rio de Janeiro: arquivo Nacional 1993.

JARDIM, José Maria. O conceito e a prática de gestão de documentos. Acervo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 35-42,

jul./dez., 1987.

PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

SILVA, Fábia Gama; TAVARES NETO, José. Avaliação dos Prontuários Médicos de Hospitais de Ensino do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v.31, n. 2, p. 113-126, jan./abr., 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2013.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 ÁGORA ISSN 0103-3557



ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia