Ambiente informacional de arquivos: a emergência estética na sociedade da informação

Ismaelly Batista Santos Silva

Resumo


As discussões sobre a condição de trabalho nos ambientes informacionais de unidades de informação, em especial dos arquivos, transpassaram os diálogos no âmbito profissional e ganharam há alguns anos o embasamento político da devida atenção para sua relevância científica e pragmática enquanto fenômeno social. Destarte, neste artigo, busca-se refletir sobre a qualidade do arquivo enquanto ambiente informacional em sua dimensão estrutural que conjuga local de trabalho e acesso à informação de valor cultural. As estratégias de pesquisa utilizadas foram: descritiva e bibliográfica (do ponto de vista dos objetivos), com abordagem qualitativa. Como resultados, chama-se a atenção para a emergência da qualidade funcional e estética dos arquivos, pois, enquanto ambientes de trabalho, estes necessitam de condições favoráveis ao labor de diferentes profissionais, a exemplo do arquivista e do técnico em arquivo. Enquanto mecanismo de difusão cultural, os arquivos requerem um aprimoramento da infraestrutura para melhor atender seus usuários. Conclui-se que os arquivos, assim como qualquer outra unidade de informação, necessitam dispor de um layout adequado a fim de cativar seus usuários para além do material tratado em seu acervo, pois eles são o elo proeminente entre a razão do trabalho e a quem são projetados os resultados no contexto das unidades de informação, sendo, por sua vez, os usuários influenciáveis cognitivamente por sua propensão ao belo.


Palavras-chave


Arquivo; Estética; Sociedade da Informação

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALBERCH I FUGUERAS, R.; Boadas, J. La función cultural de los archivos. Euskadi: Departamento de Cultura, 1991.

BELLOTTO, Eloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. 320p.

BIAVOASCHI, Magda Barros; LUBBE, Ana; MIRANDA, Maria Guilhermina (Coord.). Memória e preservação de documentos: direitos do cidadão. São Paulo: LTr, 2007.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

DOMINGUES, J. M. Sociologia e modernidade: para entender a sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

DUFRENNE, Mikel. Estética e Filosofia. São Paulo: Perspectiva, 1998.

FALZON, Pierre (Ed.) Ergonomia. São Paulo: Editora Blücher, 2007.

GASPARINI, Diogenes. Direito administrativo. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

INNARELLI, Runberto Celeste. Preservação Digital: a gestão e a preservação do conhecimento explícito digital em instituições arquivísticas. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 48-63, jul. /dez. 2012.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão [et al.] Campinas, SP Editora INICAMP, 1980.

MANOVICH, Levi. Infoestética. 2016. Dispnível em: Acesso em: 02 jul. 2016.

MARTINS, José Maria. A lógica das emoções na ciência e na vida. Rio de Janeiro, Vozes, 2004.

MENDES, René (Org.). Patologia do trabalho. 2. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2007.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NASIO, Juan-David. O prazer de ler Freud. Rio de Janeiro, Zamar, 1999.

NORA, Pierre. Entre memória e História: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, dez. 1993.

NORMAN, Donald A. Design Emocional, por que adoramos ou detestamos os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

RICHARDSON, J. R. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

RIBEIRO, Fernanda. Os Arquivos na era pós-custodial: reflexões sobre a mudança que urge operar. Boletim Cultural, Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, s. 3, n.1, p.129-133, 2005. Disponível em: < https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/14000/2/Arquivosnaerapscustodial000073169.pdf>. Acesso em: 02 jan. 2016.

SAMPIERI, R. H; COLLADO, C.F; LUCIO, P. B. Metodologia da Pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006. p. 96-115.

SILVA, I. B. S. Arquivos Institucionais e a Impotância da Informação em Saúde. In: Zeny Duarte; Olívia Pestana; Carmen Abreu; (Org.), Informação e Saúde: percursos de interdisciplinariedade. Salvador – BA: EDUFBA, 2016, p281-290.

SILVA, M. C. S. M. Segurança de Acervos Culturais. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST, 2012. 200p.

SOUSA, R. T. B. Os arquivos montados nos setores de trabalho e as massas documentais acumuladas na administração pública brasileira: uma tentativa de explicação. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 21, n. 1, p. 31-50, 1997.

TUNER, Jonathan H. Sociologia: conceitos e aplicações. São Paulo. Makron Books. 1999.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 ÁGORA ISSN 0103-3557

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia