A semiótica no marketing da informação: um estudo de caso

Jarbas de Menezes, Luís Roberto Sousa Mendes

Resumo


O estudo procura avaliar a utilização da Semiótica enquanto ciência auxiliar ao Marketing da Informação. Assim, o objetivo da pesquisa foi conscientizar a respeito dos conceitos da Semiótica, das análises geradas por ela, das práticas que podem levá-la a ser utilizada como ferramenta de Marketing da Informação, e avaliar a eficácia da Semiótica aplicada ao desenvolvimento de embalagens cartonadas de leite. Estudo qualitativo, para o qual foi utilizada a técnica de grupo focal. Foram elaboradas duas embalagens diferentes seguindo cada uma delas um dos dois caminhos criativos predominantes no mercado brasileiro de leite e, posteriormente, foram submetidas a dois grupos, com faixa etária diferente, sendo o Grupo 1 (G1) constituído de 10 donas de casa com faixa etária entre 40 e 60 anos, e o Grupo 2 (G2) constituído também por 10 indivíduos, sendo a maioria estudantes universitários, com faixa etária entre 19 e 40 anos. Para a condução de ambos os grupos utilizou-se um questionário semiestruturado que continha questões que ao serem respondidas subsidiavam a análise cromática, icônica das embalagens utilizadas. Após a coleta, foi utilizado o método de interpretação de sentidos para análise dos dados. Observou-se que houve uma relação muito forte entre o manifestado em ambos os grupos e o estudo Análise Semiótica das Embalagens UHT. Por fim, acredita-se que a Semiótica é uma ferramenta eficaz quando aplicada de maneira auxiliar ao Marketing da Informação.


Palavras-chave


Semiótica; Marketing da informação; Embalagem de produtos

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADAMS, J. Estratégias de Marketing em cooperativas: o caso da Cesma. 2006. 106 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

BARBOSA, P. R. L.; DIAS, R. G. C. A embalagem como diferencial competitivo nas organizações. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2011.

CAIM, F. O potencial estratégico da análise semiótica em marketing e comunicação empresarial. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

CIMATTI, M. Brastemp: análise semiótica das manifestações comunicativas da marca. 2003. 140 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

COLOMBO, C. Estratégias de construção da marca Yamaha no Brasil. 2006. 106 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

COMPAGNO, C. F. L. Análise Semiótica e marcas: um estudo exploratório. 2009. 148 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

EMBRAPA. Ranking das mesorregiões produtoras de leite. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2017.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 79-108.

GOMES, R. et al. Organização, processamento, análise e interpretação de dados: o desafio da triangulação. In: MINAYO, M. C. S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. (Org.). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. p. 185-221.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 24, p. 149-161, 2002.

HARVEY, M.; EVANS, M. Decoding competitive propositions: a semiotic alternative to traditional advertising research. International Journal of Market Research, London, v. 43, n. 2, p. 171-187, 2001.

MARTINET, J. Chaves para a semiologia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1983.

MEDCALF, G. Research revolution. Marketing Magazine, Auckland, v. 26, n. 2, p. 14, mar. 2007.

NÖTH, W. Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. São Paulo: Annablume, 1995.

OGASAWARA, L. A. F. O apelo comunicativo da embalagem: estudo semiótico das embalagens de água mineral. 2009. 131 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) - Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2012.

PEREZ, C. Gestão e Semiótica da marca: a publicidade como construção e sustentação sígnica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 30., 2007, Santos. Anais... Santos: Intercom, 2007.

PEREZ, C. Signos da marca: expressividade e sensorialidade. São Paulo: Thomson. Learning, 2004.

PEREZ, C.. Análise Semiótica das embalagens UHT. In: FEIRA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS, São Paulo, 2009.

SANTAELLA, L. O que é Semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SUNG, J. M.; SILVA, J. C. Conversando sobre ética e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1999.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 ÁGORA: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia