Era digital e seus impactos: visitar, ou não, o arquivo público?

Hercules Pimenta Santos

Resumo


A presente pesquisa é fruto de um estudo interdisciplinar que buscou elucidar impactos encontrados no processo de consulta e organização do documento arquivístico de idade permanente, digitalizado. Os processos de estudo na Espanha, como aplicados no Brasil, objetivaram a busca de contrastes e aproximações em relação aos procedimentos entre as duas tradições acadêmicas. Com fins exploratórios, colhemos depoimentos de arquivistas, documentalistas e historiadores, brasileiros e espanhóis. Os profissionais entrevistados foram definidos de forma intencional. Dos resultados obtidos, nos permitiu inferir que, de forma controversa, os benefícios aferidos com os acervos virtualizados podem impactar com perdas pedagógicas na ausência da experiência de se ir ao arquivo. A virtualização dos acervos permanentes dos Arquivos, com sua disponibilização remota por meio da Internet, pode acarretar em um esvaziamento dos Arquivos físicos. A opção de os historiadores / pesquisadores deixarem de ir aos arquivos físicos para suas pesquisas poderá ocasionar em limites metodológicos para suas investigações, além de um menor destino de verbas para tais instituições, em função da redução significativa do fluxo de consultas presenciais.


Palavras-chave


Historiografia; Arquivologia; Arquivos permanentes; Digitalização de acervos

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALONSO, Vicenta Cortés. Los documentos y su tratamiento archivístico. Boletín de la ANABAD, Tomo, v. 31, n. 3, p. 365-381, 1981.

ARQUIVO NACIONAL. Arquivos e Documentos: Conceitos e Características. s/d. Disponível em: < http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/ >. Acesso em: 19 set. 2015.

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO. Print da página. 2017. Disponível em: < http://antt.dglab.gov.pt/ >. Acesso em: 19 set. 2017.

BRASIL. Lei n. 8.159 de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 jan. 1991.

FITZSIMMONS, James A.; FITZSIMMONS, Mona J. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia de informação. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

JARDIM, J. M. O inferno das boas atenções: legislação e políticas arquivísticas. In: MATTAR, E (Org.). Acesso à Informação e Políticas de Arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

JOHNS, Nick. What is this thing called service? European Journal of Marketing, London, v. 33, n. 9/10, p. 958-973, 1999.

LOPEZ, André Porto Ancona. Como descrever documentos de Arquivo: elaboração de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002.

NICKELS, William G.; WOOD, Mirian Burk. Marketing: relacionamentos, qualidade, valor. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1999.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Salamanca: Nova Enciclopédia, 1998.

SOARES, Ana Paula Alves. Avaliação da qualidade em serviços de arquivos. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Departamento de Ciência da Informação. Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 ÁGORA: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia