Vocabulário controlado para arquivos: análise de viabilidade e propostas

Luciana Davanzo, Walter Moreira

Resumo


Essa pesquisa refere-se a uma dissertação de mestrado onde notou-se que o aumento informacional existente nas organizações exige melhores formas de tratamento informacional. Por isso, a arquivologia sente a necessidade de usar instrumentos que forneçam subsídios para a organização e recuperação da informação. Nesse cenário informacional, como problemática subjacente a essa pesquisa questiona-se: como contribuir com a representação da informação de forma que esse processo seja mais qualitativo? Objetivou-se, a partir de literaturas acerca da temática proposta, demonstrar os motivos pelas quais a arquivologia pode fazer uso dos vocabulários controlados em relação as suas teorias, práticas e metodologias. Para o desenvolvimento desse estudo foram realizadas pesquisas em algumas bases de dados brasileiras (BRAPCI, SCIELO) com o objetivo de embasar a revisão de literatura sobre a temática proposta. Foram utilizadas também as normas ANSI/NIZO Z 39.19-2005 (R2010) e a ISO 25964-2011 para respaldar os componentes normativos dos vocabulários controlados. Os resultados indicam que a arquivologia pode se beneficiar da instrumentalidade dos vocabulários controlados, pois, o vocabulário controlado pode contribuir de maneira significativa em relação aos processos de representação da informação


Palavras-chave


Arquivologia; Normas de Descrição Arquivística; Vocabulários Controlados; Ansi Niso Z.39-2005 (2010); ISO 25964-2011

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGUIAR, F. O controle de vocabulário controlado como dispositivo para a organização e tratamento da recuperação arquivologia. Dissertação (Mestrado em ciência da informação) Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil.2008.

ALMEIDA, T; SOUZA, R. F. O vocabulário controlado como instrumento de organização e representação da informação na FINEP. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., 2011, Brasília. Anais [...]. Brasília: UNB, 2011.

ANDRADE, R., SILVA, R. Aspectos teóricos e históricos da descrição arquivística e uma nova geração de instrumentos arquivísticos de referência. PontodeAcesso, Salvador, v. 2, n. 3, p. 14-29, dez. 2008.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. E-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011.

CINTRA, A.M. et al. Para entender as linguagens documentárias. 2. ed. rev. amp. São Paulo: Pólis, 2002.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISAD(G): Norma geral internacional de descrição arquivologia. 2000.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISAAR(CPF): norma internacional de registro de autoridade arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias/tradução de Vitor Manoel Marques da Fonseca. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.

DAVANZO, L. Vocabulário controlado para arquivos: análise de viabilidade e proposta. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade Estadual Paulista, Marília, 2016.

DAVANZO, L; MOREIRA, W. Análise preliminar sobre a conversão de plano de classificação em vocabulário controlado. In: DOBEDEI, Vera; GUIMARÃES, José Augusto Chaves (org.). Organização do conhecimento e diversidade cultural. Marília: ISKO-Brasil: FUNDEPE, 2015.

HEREDIA HERRERA, A. Documentos y información. In: HEREDIA HERRERA, A. Archivistica General: teoria y practica. Sevilla, 1991.

LEÃO, F.C. A representação da informação arquivologia permanente: a normalização descritiva e a ISAD (G). São Paulo: ECA/USP, 2006.

LOPES, L.C. A gestão da informação: as organizações, os arquivos e a informática aplicada. Rio de Janeiro: APERJ. 1997.

LLANES PADRÓN, D. La representación normalizada de los documentos: estúdio comparado de normas de descripción archivistica. 801 f., 2011. Tesis - (Doctorado en Biblioteconomía y Documentación) Departamento de Biblioteconomía y Documentación. Universidad de Salamanca, España. 2011.

MOREIRA, W; DAVANZO, L; MORAES, I. S. Abordagem sobre vocabulários controlados para arquivos: conceitos, aplicações e metodologias. In: RODRÍGUEZ MUÑOZ, J.V.; GIL-LEIVA, I.; DÍAZ ORTUÑO, P.; MARTÍNEZ MÉNDEZ, F. J. (orgs.). Organización del conocimiento: sistemas de información abiertos. Murcia, España: Universidad de Murcia, 2015.

MOREIRA, W. et al. Vocabulário controlado para a representação documentária em arquivos correntes da UNESP. In: DO OUTRO LADO DA INFORMAÇÃO. 4., 2015, Marília. Anais do Seminário Arquivologia e Biblioteconomia. Marília, 2015.

ORTEGA, C.D. Fundamentos da organização da informação frente a produção de documentos. Transinformação, Campinas, v.20, n.1. 2008.

SMIT, J.W; KOBASHI, N.Y. Como elaborar vocabulário controlado para aplicação em arquivos. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial. 2003.

SILVA, D. L.; SOUZA, R. R.; ALMEIDA, M. B. Comparação de metodologias para construção de ontologias e vocabulários controlados. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL (ONTOBRAS), 1., 2008, Niterói. Anais [...]. Niterói: UFF, 2008.

TOGNOLI, N. B. A representação na arquivística contemporânea. Ciência da Informação, Brasília, v. 5, n. 2, p. 79-92, jul./dez., 2012.

WEISS, L. C. Análise da estrutura do vocabulário controlado Descritores em Ciências da Saúde. Monografia (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 ÁGORA: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia