Patrimônio documental e a memória da cidade: considerações acerca da gestão da memória em Montes Claros, Minas Gerais

Filomena Luciene Cordeiro Reis, Juliano Gonçalves de Aquino

Resumo


A pesquisa discutiu a relevância dos arquivos públicos municipais enquanto lugares de memória de Montes Claros, Minas Gerais, em especial o Arquivo do poder executivo. Traçou um panorama de constituição desta instituição arquivística até os dias atuais com intuito de investigar e mostrar o contexto de sua criação e a existência de uma política de preservação cultural atuante no Município. O estudo objetivou expor a gestão da memória local por meio da preservação do seu patrimônio documental, especificamente da Prefeitura Municipal. A metodologia adotada para realização da pesquisa consistiu na discussão teórico-metodológica acerca do assunto, bem como análise e interpretação de documentos que narram a história do referido Arquivo e, consequentemente da cidade. Dialogamos com análises historiográficas na tentativa de detectar as nuances da preservação da memória nas cidades, enfocando a memória arqueologizada no patrimônio documental de Montes Claros. Os resultados apontados constataram a importância desse órgão de documentação para a (des)(re)construção das histórias de um lugar e de seus sujeitos por meio da preservação e conservação do patrimônio documental, pois, sem ele, o homem perde alguns dos seus referencias enquanto cidadão. Preservar documentos públicos é também conservar a memória e o direito de ser cidadão


Palavras-chave


Patrimônio Documental; Memórias; História; Lugares de Memória; Cidades

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMORIM. Ricardo Gomes; CLARES, Cleide. Do protocolo ao arquivo: passo a passo. Ribeirão Preto/SP:IBRAP, 2002.

ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE. Seminário bases para implantação de um arquivo moderno: o Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Cultura. 1991.

ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Trad. Manoel Adolpho Wanderley. 2. ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. 1973.

BECK, I. Manual de conservação de documentos. Rio de Janeiro: Ministério da Justiça/ Arquivo Nacional, 1985.

BOURDE, Guy; MARTIN, Hervé. As escolas históricas. Publicações Europa-América. 1983.

BURKE, Peter. A escrita da história - novas perspectivas. São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS. Resolução da Assembléia Geral Legislativa. Rio de janeiro, 13 out. 1831. Notação de Arranjo: APMC.01.01.07/000.002. Endereço Topográfico: TX/EP01(01)/CP01/PC04/APCM/FD000.014.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Domínio da história: Ensaios de Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro: Campus. 1997.

CARVALHO, José Murilo de. O historiador e os morcegos. Revista Nossa História, Rio de Janeiro, v.1, n. 10, ago., 2004.

CASTILHO. Ataliba Teixeira de (org.). A sistematização de arquivos públicos. Campinas/SP: Editora da UNICAMP, 1991.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Subsídios para implantação de uma política municipal de arquivos: o arquivo municipal a serviço dos cidadãos. Rio de Janeiro: CONARQ, 2000. Disponível em: www.arquivonacional.gov.br/publicacoesvirtuais. Acesso em:25 fev. 2019.

CORDEIRO. Filomena Luciene. A cidade sem passado: políticas públicas e bens culturais de Montes Claros/MG. Um estudo de caso. Vassouras/RJ: Universidade Severino Sombra, 2004.

FIGUEIRA, Vera Moreira. A viabilização de arquivos municipais. Acervo, Rio de Janeiro, v.1, n.2, p. 159-164, jul./dez., 1986. Disponível em:

http://www.arquivonacional.gov.br/media/v.1,n.2,jul-dez.1986.pdf

GLENISSON, Jean. Iniciação aos estudos históricos. 5. ed. São Paulo: Bertrand Brasil. 1986.

GLOBAL INFÂNCIA. Glossário. [2006]. Disponível em: www.globalinfancia.org.py/agenciadenoticias/glossário/p.htm. Acesso em: 12 jun. 2006

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão et al. 4 ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP. 1996.

LOPEZ, André Porto Ancona. Tipologia documental de partidos e associações políticas brasileiras. São Paulo: Edições Loyola. 1999.

MACHADO, Helena Corrêa; CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Como implantar arquivos Públicos Municipais. São Paulo: Arquivo do Estado - Imprensa Oficial, 2000.

http://www.arqsp.org.br/arquivos/oficinas_colecao_como_fazer/cf3.pdf

MENEZES, Ulpiano T. Bezerra de. A história, Cativa da Memória? Para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais. Rev. Inst. Est. Bras., São Paulo, n. 34, p. 9-24, 1992. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/70497/73267

MICELI, Sergio. SPHAN: Refrigério da cultura oficial. Revista do Patrimônio Histórico e artístico Nacional, Rio de Janeiro, n.2, p. 44-47, 1987. Disponível em:

http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=reviphan&pagfis=7951

MINAS GERAIS. Lei n ° 5.775 de 30/09/1971. Autoriza o Poder Executivo a instituir, sob forma de Fundação, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA/MG). Belo Horizonte, 30 set., 1971.

OLIVEIRA, Deise Aparecida. Os arquivos públicos e privados: Estratégias de Institucionalização de Arquivos Municipais. In: Mesa Redonda Nacional de Arquivos. Rio de Janeiro: CONARQ, 13-15 de julho de 1999. Disponível em: www.arquivonacional.gov.br/publicacoesvirtuais. Acesso em: 31 ago. 2019.

PEREIRA, Laurindo Mékie; OLIVEIRA, Marcos Fábio Martins de. A invenção do 03 de julho em Montes Claros. Unimontes Científica. Montes Claros, v.05. n.01, 2003.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS. Implantação do Sistema de Arquivo do Município de Montes Claros. Montes Claros, julho de 1988.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS. DPDOR/DDI/UNIMONTES. Radiograma ao Prefeito Municipal. Montes Claros, 01 jan. 1942. Notação de Arranjo: APMC. 46.01.16/000.001. Endereço Topográfico: TX/EP14(83)/CP29?PC1047/DPDOR/FD002.713.

REIS, José Carlos. A Escola dos Annales: a inovação em história. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra. 2000.

REZENDE. Ana Paula de; SOUZA, Regina Coeli Hosken de. Em defesa da gestão dos arquivos públicos municipais em tempos de globalização. Jus Navigandi, Teresina, v. 5, n. 47, nov. 2000. Disponível em: http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=489. Acesso em: 01 set. 2018.

SCHELLENBERG, Theodore Roosevelt. Arquivos modernos: princípios e técnicas. Trad. Nilza Teixeira Soares. 6. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SILVA, Sérgio Conde de Albite. Algumas reflexões sobre preservação de acervos em arquivos e bibliotecas. Rio de Janeiro. 1998. Comunicação Técnica da Academia Brasileira de Letras. Disponível em: http:/siarq02.siarq.unicamp.Br/cpba/cadtec/. Acesso em: 12 jun. 2018.

SILVA, Zélia Lopes da (org.). Arquivos, patrimônio e memória: trajetórias e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP: FAPESP. 1999. (Seminários & Debates).

UNIMONTES. DIVISÃO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO REGIONAL - DPDOR. Correspondência encaminhada à Coordenação da CPDOR. Montes Claros, 10 de setembro de 1993.

UNIMONTES. DIVISÃO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO REGIONAL - DPDOR. Processo-crime: Sonegação de estado de familiar. Montes Claros, 01 dez.1848. (Notação de Arranjo: AA.07.02.03/000.005)


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 ÁGORA: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia