Interoperabilidade entre repositórios arquivísticos digitais confiáveis

Henrique Machado dos Santos, Daniel Flores

Resumo


Este estudo descreve e avalia a possibilidade de dois ou mais repositórios arquivísticos manterem níveis de interoperabilidade, de modo que são abordados os arquivos independentes, os cooperados, os federados e os de entidades funcionais compartilhadas. Para tanto, parte-se do levantamento bibliográfico de materiais previamente publicados, por meio da seleção de livros, publicações técnicas e artigos científicos. A interoperabilidade é o prisma da discussão, e os repositórios arquivísticos digitais confiáveis correspondem a categoria norteadora. Dessa forma, os dados são analisados de forma qualitativa e discutidos conforme a lógica dedutiva a fim de caracterizar-se como um artigo de revisão assistemática. Observa-se que a interoperabilidade entre repositórios arquivísticos acarreta benefícios às comunidades de preservação digital que comportam a economia de recursos, a otimização da busca de informações e o desenvolvimento de padrões. Por fim, este estudo esclarece conceitos e possíveis cenários de interoperabilidade para repositórios arquivísticos, além de trazer uma visão pós-custodial que realça a importância da custódia tendo em vista as perspectivas de sucessão.


Palavras-chave


Preservação digital; Documento digital; Arquivística; Arquivos digitais; Cadeia de custódia

Texto completo:

DOC PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 15472: Sistemas espaciais de dados e informações – Modelo de referência para um sistema aberto de arquivamento de informação (SAAI). São Paulo: ABNT, 2007.

ALMEIDA, M. B.; CENDÓN, B. V.; SOUZA, R. R. Metodologia para implantação de programas de preservação de documentos digitais a longo prazo. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v.17, n.34, p.103-130, maio./ago., 2012. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2012v17n34p103. Acesso em 20 dez. 2018.

ARAÚJO, C. A. Á. Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia e Ciência da Informação: o diálogo possível. Brasília: Briquet de Lemos / São Paulo: ABRAINFO, 2014.

BARBEDO, F. Arquivos Digitais: da origem à maturidade. Cadernos BAD: Revista da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas. n.2, p.6-18, 2005. Disponível em: https://www.bad.pt/publicacoes/index.php/cadernos/article/view/810. Acesso em: 21 nov. 2018.

BOERES, S. A. A.; CUNHA, M. B. Competências básicas para os gestores de preservação digital. Ciência da Informação, Brasília, v.41, n.1, p.103-113, jan./abr., 2012. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1356/1535. Acesso em: 01 abr. 2019.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/Carta_preservacao.pdf. Acesso em: 10 ago. 2014.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis – RDC-Arq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/diretrizes_rdc_arq.pdf. Acesso em: 10 jun. 2016.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara técnica de normalização da descrição arquivística. Norma brasileira de descrição arquivística (NOBRADE). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Resolução no 28, de 17 de fevereiro de 2009. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/index.php/resolucoes-do-conarq/270-resolucao-n-28,-de-17-de-fevereiro-de-2009. Acesso em: 22 abr. 2018.

CASANOVAS, I. Gestión de documentos electrónicos. Buenos Aires: Alfagrama, 2008.

CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Magenta Book. Washington, Jun., 2012. Disponível em: https://public.ccsds.org/pubs/650x0m2.pdf. Acesso em: 13 mai. 2014.

DIGITAL CURATION CENTRE; DIGITAL PRESERVATION EUROPE (DCC/DPE). Digital Repository Audit Method Based on Risk Assessment (DRAMBORA). v. 1.0, fev. 2007. Disponível em: http://www.repositoryaudit.eu/download. Acesso em: 13 nov. 2014.

FERREIRA, M. Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e actuais consensos. Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5820/1/livro.pdf. Acesso em: 2 ago. 2014.

GRANGER, S. Emulation as a Digital Preservation Strategy. D-Lib Magazine, v.6, n.10, 2000. Disponível em: http://www.dlib.org/dlib/october00/granger/10granger.html. Acesso em: 24 jun. 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HEDSTROM, M. Digital preservation: problems and prospects. University of Michigan, Michigan, 2001. Disponível em: http://www.dl.slis.tsukuba.ac.jp/DLjournal/No_20/1-hedstrom/1-hedstrom.html. Acesso em: 10 jan. 2015.

INNARELLI, H. C. Preservação digital e seus dez mandamentos. In: SANTOS, V. B. (Org.). Arquivística: temas contemporâneos. Classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. 3. Ed. Distrito Federal: SENAC, 2009, p. 21-75.

INNARELLI, H. C. Preservação digital: a gestão e a preservação do conhecimento explícito digital em instituições arquivísticas. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.48-63, jul./dez., 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/48653. Acesso em: 28 dez. 2014.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO). ISO 14721: Space data and information transfer systems: open archival information system – Reference model. Geneva: ISO, 2012.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELECTRONIC SYSTEMS (INTERPARES 2 PROJECT). Diretrizes do produtor. A elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados. 2002-2007. Disponível em: http://www.interpares.org/ip2/display_file.cfm?doc=ip2_creator_guidelines_booklet--portuguese.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, 1997.

LUZ, C. Arquivologia 2.0: a informação digital humana. Florianópolis: Bookess, 2010.

MARCONDES, C. H.; SAYÃO, L. F. Documentos digitais e novas formas de cooperação entre sistemas de informação em C&T. Ciência da Informação, Brasília, v.31, n.3, set./dez., 2003. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/947/984. Acesso em: 01 jun. 2019.

MÁRDERO ARELLANO, M. Á. Preservação de documentos digitais, Ciência da Informação, Brasília, v.33, n.2, p.15-27, maio/ago., 2004. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1043. Acesso em: 25 jul., 2014.

PECCIA, N. et al. CCSDS Standards: A Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). In: EUROPEAN SPACE OPERATIONS CENTER. Germany, 1998. Anais eletrônicos... Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/David_Giaretta/publication/237756090_CCSDS_STANDARDS_-_A_Reference_Model_for_an_Open_Archival_Information_System_OAIS/links/004635294842eea184000000.pdf. Acesso em 04 mar. 2019.

ROTHENBERG, J. Avoiding Technological Quicksand: Finding a Viable Technical Foundation for Digital Preservation. Council on Library and Information Resources, 1999. Disponível em: https://www.clir.org/pubs/reports/rothenberg/. Acesso em: 24 dez. 2018.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Repositórios digitais confiáveis para documentos arquivísticos: ponderações sobre a preservação em longo prazo. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.20, n.2, p.198-218, abr./jun., 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1981-5344/2341. Acesso em: 03 dez. 2018.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Da preservação digital ao acesso à informação: uma breve revisão. Páginas a&b: arquivos e bibliotecas, Porto, v.3, n.7, p.16-30, 2017. Disponível em: http://ojs.letras.up.pt/index.php/paginasaeb/article/view/2836/2593. Acesso em: 03 jun. 2019.

SANTOS, V. B. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão arquivística. 2. Ed. Brasília: Abarq, 2005.

SANTOS, V. B. A prática arquivística em tempos de gestão do conhecimento. In: SANTOS, V. B. (Org.). Arquivística: temas contemporâneos. Classificação, preservação digital e gestão do conhecimento. 3. Ed. Distrito Federal: Senac, 2009, p. 175-223.

SARAMAGO, M. L. Preservação digital a longo prazo: boas práticas e estratégias. Cadernos BAD: Revista da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, Lisboa, n.2, p.54-68, 2002. Disponível em: http://www.bad.pt/publicacoes/index.php/cadernos/article/view/866. Acesso em: 10 fev. 2015.

SARAMAGO, M. L. Metadados para preservação digital e aplicação do modelo OAIS. In: CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECARIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS, 8., 2004. Anais eletrônicos... Estoril: [s. n.], 2004. Disponível em: http://www.bad.pt/publicacoes/index.php/congressosbad/article/view/640/637. Acesso em: 4 jul. 2014.

SAYÃO, L. F. Repositórios digitais confiáveis para a preservação de periódicos eletrônicos científicos. Ponto de Acesso, Salvador, v.4, n.3, p.68-94, dez., 2010. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/4709. Acesso em: 8 ago. 2014.

SCHÄFER, M. B.; CONSTANTE, S. E. Políticas e estratégias para a preservação da informação digital. Ponto de Acesso, Salvador, v.6, n.3, p.108-140, dez., 2012. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/6449. Acesso em: 10 dez. 2018.

SCHUMANN, N. Digital preservation activities across communities-benefits and problems. In: IPRES: International Conference on Digital Preservation. London, United Kingdom, 2008. Anais eletrônicos... Disponível em: https://www.bl.uk/ipres2008/presentations_day2/48_Schumann.pdf. Acesso em: 04 mar. 2019.

SILVA, M. O arquivo e o lugar: custódia arquivística e a responsabilidade pela proteção aos arquivos. Niterói: Eduff, 2017.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, 2005. Disponível em: https://projetos.inf.ufsc.br/arquivos/Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_de_teses_e_dissertacoes_4ed.pdf. Acesso em: 13 jun. 2014.

SOUZA, A. H. L. R. et al. O modelo de referência OAIS e a preservação digital distribuída. Ciência da Informação, Brasília, v.41, n.1, p.65-73, jan./abr., 2012. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1352. Acesso em: 18 mar. 2015.

THIBODEAU, K. Overview of technological approaches to digital preservation and challenges in coming years. In: COUNCIL ON LIBRARY AND INFORMATION RESOURCES. The state of digital preservation: an international perspective. Washington, D.F., 2002, p. 4-31. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/summary?doi=10.1.1.89.3273. Acesso em: 19 ago. 2014.

THOMAZ, K. P. Gestão e preservação de documentos eletrônicos de arquivo: revisão de literatura – parte 2. Arquivística.net, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p.114-131, jan./.jun., 2006. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/res/download/56101. Acesso em: 07 set. 2014.

THOMAZ, K. P. Repositórios digitais confiáveis e certificação. Arquivística.net, Rio de janeiro, v.3, n.1, p.80-89, jan./jun., 2007. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/05/pdf_fed0720dbb_0010726.pdf. Acesso em: 7 set. 2014.

THOMAZ, K. P.; SOARES, A. J. A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information System (OAIS). DataGramaZero, v.5, n.1, 2004, Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000007749/6f3e125671cfe45b7fddce5de6cf37f8/. Acesso em: 10 dez. 2017.

VOLPATO, G. L. et al. Dicionário crítico para redação científica. Botucatu: Best Writing, 2013.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia