Por que os Arquivistas e os Museólogos pertencem à mesma Família ocupacional na Classificação Brasileira de Ocupações?

Thiara dos Santos Alves

Resumo


Na versão atual, de 2002, da Classificação Brasileira de Ocupações, os Arquivistas e os Museólogos estão reunidos em uma mesma Família ocupacional, embora estes profissionais possuam distintos objetos de trabalho e atribuições específicas na sociedade. Deste modo, o objetivo deste artigo foi explicar o porquê do posicionamento dos Arquivistas e dos Museólogos se dá em uma mesma Família ocupacional. Esta pesquisa qualitativa, descritiva e explicativa valeu-se de pesquisa bibliográfica e documental, a partir das fontes primárias da Divisão de Classificação Brasileira de Ocupações. Os estudos destas fontes primárias revelaram que Arquivistas e Museólogos pertencem à mesma Família ocupacional por motivos pragmáticos – não houve consistência teórica e metodológica para esta junção –, resultantes da inexpressividade numérica dos profissionais e pelo uso, mesmo que adaptado, da Classificação Internacional Uniforme de Ocupações, de 1988, como referência para a elaboração da Classificação Brasileira de Ocupações. A relevância deste trabalho consiste na possibilidade de orientar eventuais alterações, em futuras oportunidades de revisão, da Classificação Brasileira de Ocupações.

Palavras-chave


Classificação Brasileira de Ocupações; Arquivistas; Museólogos; Família ocupacional

Texto completo:

DOC PDFA

Referências


ALVES, Thiara dos Santos. A família ocupacional “Arquivistas e Museólogos”: posicionamento na Classificação Brasileira de Ocupações e perfil de emprego. 2016. 197 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

BRASIL. Bases Estatísticas RAIS e CAGED. 2019. Disponível em: http://bi.mte.gov.br/bgcaged/login.php. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Base CBO. Grupo de Base Bibliotecários, arquivologistas e museólogos. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, s/d. Disponível em: http://consulta.mte.gov.br/empregador/cbo/procuracbo/conteudo/tabela3.asp?gg=1&sg=9&gb=1. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações: Buscas por Título: Arquivistas e museólogos. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2007-2017a. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTitulo.jsf. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações: CBO. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; Secretaria de Políticas Públicas de Emprego, 2010a. Não paginado. Disponível em: http://wp.ufpel.edu.br/observatoriosocial/files/2014/09/CBO-Livro-1.pdf. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações: CBO 2002. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2007-2017b. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações: Informações Gerais. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2007-2017c. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/informacoesGerais.jsf;jsessionid=MASd9NWTA0LTlslDzm1v88Xr.slave13:mte-230-cbo-01. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Edital de Chamada Pública de Parcerias SPPE/MTE Nº 22/2010. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2010b.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. [Estudo de escopo que subsidiou a inclusão da Família Ocupacional "Arquivistas e Museólogos" na Classificação Brasileira de Ocupações, versão 2002]. São Paulo: Divisão de Classificação Brasileira de Ocupações, 2000-2001.

COSTA, Ludmila Leite Madeira da; LIMA, Diana Farjalla Correia. O termo museólogo e seu conceito: análise da atividade profissional em coleções de artistas plásticos contemporâneos. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 14., 2013, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2013. Não paginado.

CUNHA, Mirian Vieira de; CRIVELLARI, Helena Maria Tarchi. O mundo do trabalho na sociedade do conhecimento e os paradoxos das profissões da informação. In: VALENTIM, Marta Lígia (org.). Atuação profissional na área de informação. São Paulo: Polis, 2004. p. 39-54.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Comissão Nacional de Classificação. Classificação Brasileira de Ocupações. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; Comissão Nacional de Classificação, 2019. Disponível em: http://concla.ibge.gov.br/classificacoes/por-tema/ocupacao/classificacao-brasileira-de-ocupacoes. Acesso em: 27 dez. 2019.

LOUREIRO, Mônica de Fátima; JANNUZZI, Paulo de Martino. Profissional da informação: um conceito em construção. Transinformação, Campinas, v. 17, n. 2, p. 123-151, maio/ago. 2005.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 1982.

NOZOE, Nelson Hideiki; BIANCHI, Ana Maria; RONDET, Ana Cristina Ablas. A nova classificação brasileira de ocupações: anotações de uma pesquisa empírica. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 17, n. 3-4, jul./dez. 2003.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Clasificación Internacional Uniforme de Ocupaciones. Página de Entrada. Suíça: CIUO, 2005. Disponível em: http://www.ilo.org/public/spanish/bureau/stat/isco/index.htm. Acesso em: 27 dez. 2019.

RIBEIRO, Ana Rosa Pais; SENRA, Nelson de Castro. Estruturação do campo da produção da informação estatística oficial a luz da teoria bourdieusiana. In: MARTELETO, Regina Maria; PIMENTA, Ricardo Medeiros (org.). Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação. 1 ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2017. p. 327-349.

SILVA, Armando Barreiros Malheiros da. Arquivística, biblioteconomia e museologia: do empirismo patrimonialista ao paradigma emergente da Ciência da Informação. In: INTEGRAR – CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS, BIBLIOTECAS, CENTROS DE DOCUMENTACÃO E MUSEUS, 1., 2002, São Paulo. Anais... São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 573-607.

SILVA, Armando Barreiros Malheiros da. A transição paradigmática e o posicionamento da museologia face à ciência da informação transdisciplinar. In: DUARTE, Zeny (org.). Arquivos, bibliotecas e museus: realidades de Portugal e Brasil. Salvador: EDUFBA, 2013. p. 17-38.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia