Terminologia da política de preservação digital: um exercício de construção de um glossário

Indalécia Andrade Santos, Virgínia Bentes Pinto

Resumo


A Terminologia é entendida, ao menos, em duas acepções: como o domínio de conhecimento que estuda os termos adotados nas áreas de especialidades e como o conjunto padronizado dos termos de determinada atividade ou profissão. O objetivo deste artigo é de construir um pequeno glossário de termos e conceitos relacionados ao tema preservação digital. Quanto à metodologia, trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva, pautada no estudo da literatura científica nacional e internacional referente ao tema. O estudo empírico foi realizado em 13 fontes informacionais, com cobertura da pesquisa do período de 1990 a 2019. Os resultados indicaram que, dos 789 trabalhos, 21 foram selecionados e considerados relevantes. Foi possível montar um quadro com 35 termos e 54 conceitos. Concluiu-se que estudos e pesquisas concernentes aos glossários contribuirão para a estruturação terminológica das atividades profissionais e, naturalmente, padronizar suas Terminologias para reduzir as interferências no processo de comunicação. Também poderão contribuir para se desenvolverem pesquisas sobre a preservação digital e direcionar outros conceitos e termos da área.

Palavras-chave


Política de preservação digital; Preservação digital; Glossário; Terminologia; Termos

Texto completo:

DOC PDFA

Referências


ANDRADE, M. M. Lexicologia e Terminologia: definições, finalidades, conceitos operacionais. In:

OLIVEIRA, A. M. P; ISQUERDO, A. N. (Org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia e Terminologia. 2. ed. Campo Grande: Editora UFMS, 2001.

ARCHIVO GENERAL DE LA NACIÓN (México). Desarrollo de políticas y procedimentos para la preservación digital. Serie: Temas fundamentales de preservación digital. [Trad. BERNARD, A; DELGADO, A; VOUTSSÁS, J.]. 2017. Disponível em: https://www.gob.mx/cms/uploads/attachment/file/228990/InterPARES_2_020617.pdf. Acesso em: 20/02/2020.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Recomendações para elaboração de política de preservação digital. Coordenação-geral de gestão de documento. Rio de Janeiro; 2019. Disponível em: http://arquivonacional.gov.br/images/Politica_presercacao_digital.pdf. Acesso em: 16/02/2010.

AUBERT, F. H. Introdução à metodologia da pesquisa terminológica bilíngue. 2. ed. – São Paulo: FFLCH/CITRAT, 2001.

BAGGIO, C. C. Análise das políticas de informação dos repositórios institucionais das Univer-sidades Federais do Brasil. 2016. 352f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Cen-tro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2016.

BARBOSA, M. A. Lexicologia, lexicografia, Terminologia, terminografia, identidade científica, objeto, métodos, campos de atuação. Anais... Brasília: Cnpq/Ibict, 1992.

BARROS, L. A. Curso Básico de Terminologia. São Paulo: EDUSP. 2004.

BOERES, S. A. A. Política de preservação da informação digital em bibliotecas universitárias brasileiras. 2004. 180f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação e Documentação) – Uni-versidade de Brasília, Brasília, 2004.

BRITISH LIBRARY. Digital preservation strategy. Disponível em: http://www.bl.uk/aboutus/stratpolprog/collectioncare/digitalpreservation/strategy/BL_DigitalPreservationStrategy_2013-16-external.pdf . Acesso em: 15/02/2020.

CABRÉ, M. T. La Terminologia: teoria, metodologia, aplicaciones. Barcelona, Antártida/Empúries, 1993.

CABRÉ, M. T. La Terminologia hoy: concepciones y aplicaciones. Ciência da Informação, [S.I.], v. 24, n. 3. 1995. ISSN 1518-8353. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/567/568. Acesso em: 18/04/2020.

CABRÉ, M. T. La Terminología, una disciplina en evolución: pasado, presente y algunos elemen-tos de futuro. Debate terminológico, v. 12, n. 1, p. 411-415, 2005. 2005. Disponível em: fi-le:///C:/Users/user/Downloads/21286-78281-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 17/02/2020.

CABRÉ, M. T. La Terminologia: representación y comunicación. Barcelona: Institut Universitari de Lingüístic Aplicada, 1999.

CABRÉ, M. T. Theories of terminology: their description, prescription and explanation. Termino-logy. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, v. 9, n.2, pp. 163-200, 2003.

CERVANTES, B. M. N. Contribuição para a Terminologia do processo de inteligência competitiva: estudo teórico e metodológico. 2004. 183f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2004.

CHAPMAN, P. Guidelines on preservation and conservation policies in the archives and librar-ies heritage. Paris: Unesco, 1990. Disponível em: https://udoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000086345. Acesso em: 17/02/2020.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. (CIA). Documentos de Arquivo Electrôni-cos: Manual para Arquivistas. Lisboa: Torre do Tombo, D.L. 2005. (CIA Estudo n.16). Manual de Arquivos Electrônicos. 2005. Disponível em: https://www.ica.org/sites/default/files/ICA_Study-16-Electronic-records_PT.pdf. Acesso em: 18/04/2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011. Disponível em: https://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/earqbrasil_model_requisitos_2009.pdf. Acesso em: 10/02/2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Glossário. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https:// http://conarq.gov.br/images/ctde/Glossario/2016-CTDE-Glossario_V7_public.pdf. Acesso em: 10/02/2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Carta para a preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Brasileiro: Preservar para garantir acesso. 2005. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/Carta_preservacao.pdf. Acesso em: 18/04/2020.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Ciência da Informação, v. 7, n. 2, p. 101-107, 1978. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/115/115. Acesso em: 02/05/2020.

DESLANDES, S. F. O projeto de pesquisa como exercício científico e artesanato intelectual. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. São Paulo: Petrópolis: Vozes, 2009.

DIAS, C. A. Terminologia: conceitos e aplicações. Ciência da Informação, v. 29, n. 1, 2000. DOI: 10.18225/ci.inf..v29i1.902.

DÍAZ, M. S. Las competencias desde la perspectiva informacional: apuntes introductorios a nivel terminológico y conceptual, escenarios e iniciativas. Ciência da Informação, v. 37, n. 1, p. 107-120, 2008.

FELBER, H. Terminology Manual. General Information Programme and UNISIST - International Information Centre for Terminology. Paris: Unesco: Infoterm, 1984. XXI, 426p.

FERREIRA, Miguel. Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e actuais consensos. Guimarães, Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Política de preservação dos acervos científicos e culturais da Fiocruz. Fundação Oswaldo Cruz. – Rio de Janeiro: Fiocruz/COC, 2018.

GONDIM, L. M. P.; LIMA, J. C. A pesquisa como atividade “artesanal”. In: A pesquisa como artesanato intelectual: considerações sobre método e bom senso. São Carlos: EdUFSCar, 2006.

GRÁCIO, J. C. A.; FADEL, B.; VALENTIM, M. L. P. Preservação digital nas instituições de ensi-no superior: aspectos organizacionais, legais e técnicos. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 111–129, 2013. DOI: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-99362013000300008&lng=pt&tlng=pt.

HEDSTROM, Margare; MONTGOMERY, Sheon. Digital Preservation Needs and Requirements in RLG Member Institutions. California: Research Libraries Group, 1998. Disponível em: https://docplayer.net/8456182-Digital-preservation-needs-and-requirements-in-rlg-member-institutions.html. Acesso em: 11/04/2020

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IBICT. Glossário de preservação digital da Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital – Rede Cariniana. Brasília: IBICT, 2018. Disponível em: http://cariniana.ibict.br/index.php/2016-02-19-18-56-47. Acesso em: 04/04/2020.

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (Brasil). Glossário ICP-Brasil. Versão 1.2. 2007. Disponível em: http://www.iti.gov.br/images/repositorio/consulta-publica/encerradas/Glossario_ICP_Brasil_Versao_1.2_novo-2.pdf. Acesso em: 10/02/2020.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 704-2000. Terminology work – Principles and methods- 2. ed. General. Geneva/Switzerland: ISO, 2000. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/490906/mod_resource/content/1/ISO%20704.pdf. Acesso em: 04/04/2020.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELETRONIC SYSTEMS, THE. InterPARES 2 Project. A controlled vocabular of terms used in the InterPARES 2 Project. University of British Columbia. Vancouver, Canadá, n. 2, v. 1, 2002. Disponível em: InterPARES Glossary 2002-1.pdf. Acesso em: 02/04/2020.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELETRONIC SYSTEMS, THE. Glossary. Experimental, Interactive and Dynamic Records. Canadá. InterPARES 2 Project, 2008. Disponível em: http://www.interpares.org/display_file.cfm?doc=ip2_book_glossary.pdf. Acesso em: 17/04/2020.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELETRONIC SYSTEMS, THE. Los caminos de los documentos de archivo digitales: tópicos em preservación digital. InterPARES 3 Project. Módulo 2: Desarrollo de Políticas y Procedimientos para la Preservación Digital. 2013. Disponível em: http://www.interpares.org/ip3/ip3_products.cfm?cat=3. Acesso em: 16/02/2020.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELETRONIC SYSTEMS, THE. InterPARES 3 Project. Canadá, 2012. Disponível em: http://interpares.org/ip3/ip3_terminology_db.cfm?status=glossary. Acesso em: 16/02/2020.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2017.

LARA, M. L. G. Linguagem documentária e Terminologia. Transinformação, Campinas, v. 16, n. 3, p. 231-240, 2004.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MÁRDERO ARELLANO, M. A. Critérios para a preservação digital da informação científica. 2008. 354f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Departamento de CI, Brasília, 2008.

MIRANDA, L. M. C. Terminologia de informática em língua portuguesa: uma análise linguística e terminológica. Ciência da Informação, v. 18, n. 2, 1989. DOI: 10.18225/ci.inf..v18i2.309.

PARLIAMENTARY ARCHIVES. A Digital Preservation Policy for Parliament. Houses of Parliament. 1. ed, 2009. Disponível em: https://www.parliament.uk/documents/upload/digitalpreservationpolicy1.0.pdf. Acesso em: 16/02/2020.

PAUGAM, S. Pesquisa Sociológica. Petrópolis: Vozes, 2015.

PEARCE-MOSES, R. A glossary of archival and records terminology. Chicago: Society of American Archivists, 2005. (Archival fundamentals serie. II). Disponível em: https://www2.archivists.org/glossary. Acesso 17/02/2020.

PINHEIRO, L. V. R. Processo evolutivo e tendências contemporâneas da Ciência da Informação. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.15, n.13-48, jan./jun. 2005.

ROCHA, C. L. Glossário multilíngue do projeto InterPARES 3. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, n. esp., 1º sem. 2011. p.76-90. DOI: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/19572.

SAMPIERE, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Tipos de pesquisa. In: Metodologia da pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SANTOS, V. B. Preservação de documentos arquivísticos digitais. Ciência da Informação, Brasí-lia, DF, v. 41, n. 1, p. 114-116, jan./abr., 2012. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1357/1536. Acesso em: 20/02/2020.

SILVA JUNIOR, L. P.; MOTA, V. G. Políticas de preservação digital no Brasil: características e implementações. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 41, n. 1, p.51-64, jan./abr., 2012.

UK DATA ARCHIVE. Preservacion Policy. Version: 11.00. 2019. Disponível em: https://dam.data-archive.ac.uk/controlled/cd062-preservationpolicy.pdf. Acesso em: 16/02/2020.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 ÁGORA: Arquivologia em debate

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia