Arquivos semiativos: um estudo dos marcos teórico-conceituais na gestão de documentos por meio de um estudo metateórico

Thiago Barros, Lorena Reis

Resumo


Aborda-se os pressupostos teórico-metodológicos dos arquivos semiativos, sua natureza e conceituação. Existe, na realidade conceitual da arquivística, uma perceptível ausência de literatura e a escassez de pesquisas que tratem da temática discorrendo a respeito dos documentos semiativos e sua instrumentalização para a gestão de documentos. Haja vista, que o tratamento documental nos arquivos semiativos faz-se necessário para que haja uma gestão documental completa, visando à disseminação da informação, evitando o recolhimento de documentos sem valor histórico e eliminação equivocada. Acredita-se que por ser uma temática pouco explorada, esse levantamento teórico pode vir a contribuir para a expansão e consolidação de pesquisas futuras.Para os objetivos deste trabalho, optou-se por realizar um estudo metateórico, proporcionando uma compreensão e reflexão sobre a prática teórica dos arquivos semiativos, investigando a literatura em língua portuguesa, espanhola e inglesa, que de fato, investiguem os motivos que ocasionam a ausência dos arquivos semiativos na prática da gestão documental. Constrói-se por meio da metateoria e dos objetivos propostos um quadro teórico-metodológico sobre o status conceitual dos arquivos semiativos na literatura arquivística.


Palavras-chave


Arquivos Semiativos; Arquivística; Gestão de Documentos; Metateoria

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BARROS, T. H. B.; MORAES, J. B. E. de. Da classificação biológica à classificação digital: perspectivas de renovação em classificação arquivística. Revista Ágora, Florianópolis, v. 23, n. 46, p. 58-84, jun. 2013.

BARROS,T.H.B.; MORAES, J. B. E. Arquivística, História e Ciência da Informação: diálogos e duelos. In: CETAC.MEDIA; UNIVERSIDAD DE LEÓN. (Org.). Globalização, Ciência e Informação. 1. ed. Porto: Editora da Universidade do Porto, 2013, v. 1, p. 168-180.

BARROS, T. H.B. Uma trajetória da arquivística a partir da análise do discurso: Inflexões histórico-conceituais. 1. ed. São Paulo: Ed da Unesp, 2015.

BELLOTTO, Heloisa. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BERNARDES, Ieda Pimenta. Como avaliar documentos de arquivo. São Paulo, 1998.

BERNARDES, Ieda Pimenta. Gestão documental aplicada. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008.

BRASIL. Lei 8.159 de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.

CRUZ MUNDET, José Ramón. Manual de Archivística. Madrid: Fundación Germán Sánchez Ruipérez; Madrid: Pirámide, 1994.

HEREDIA HERRERA, Antonia. Archivística General: teoría y practica. 5. ed. Sevilla, Espanha: Diputación Provincial de Sevilla, 1991.

HEREDIA HERRERA, Antonia. El debate sobre la gestión documental. Métodos de Información, Valencia, v. 5, jan/mar. 1998.

INDOLFO, Ana Celeste. Gestão de documentos: uma renovação epistemológica no universo da arquivologia. Arquivística.net, Rio de janeiro, v.3, n.2, p. 28-60, jul./dez.2007.

INDOLFO, Ana Celeste. Avaliação de documentos de arquivo: atividade estratégica para gestão de documentos. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 6, p.13-37, 2012.

JARDIM, José Maria. O conceito e a prática de gestão de documentos. Acervo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 1 – 123, jul/dez. 1987.

LOPES, Luiz Carlos. Arquivópolis: uma utopia pós-moderna. Ciência da Informação, Brasília, v. 22, n. 1, p. 41-43. jan./abr, 1993.

MEDEIROS, Nilcéia Lage de. A representação do ciclo vital dos documentos: uma discussão sob a ótica da gestão de documentos. Em Questão, Porto Alegre, v. 16, n. 2, jul/dez. 2010.

MEDEIROS, N. L. de; NEGREIROS, L. R.; AMARAL, C. M. G. do. A experiência de arquivamento intermediário em escritórios de advocacia de Belo Horizonte, na ótica da gestão de documentos: estudo de casos múltiplos. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 29-49, abr./jun., 2011

MENDO CARMONA, Concepción. Consideraciones sobre el metodo en archivistica. Documenta & Instrumenta. Madrid, v. 1, p. 35- 46, 2004. Disponível em: . Acesso em 10 jan. 2017.

OLIVEIRA, Maria Izabel de. Classificação e avaliação de documentos: normalização dos procedimentos técnicos de gestão de documentos. Acervo, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1/2, p. 125-132, jan./dez.; 2007.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 3 – 15, mar., 2015.

REIS, Joaquim. Modelo metateórico da Psicologia da Saúde para o séc. XXI: Interacção ou integração biopsicossocial? Análise Psicológica, Lisboa, v. 12, n. 3, p. 415-433, 1999.

RIBEIRO, Fernanda. O uso da classificação nos arquivos como instrumento de organização, representação e recuperação da informação. Lisboa: ISKO, 2013.

RITZER, George. Metatheorizing in Sociology: The Basic Parameters and the Potential Contributions of Postmodernism. Sociological Forum, Springer, v.5, n.1, p. 3-15, 1990.

RODRIGUES, Ana Célia. Diplomática contemporânea como fundamento metodológico da identificação de tipologia documental em arquivos. 2008. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2008. Disponível em: <10.11606/T.8.2008.tde-27112008-151058>. Acesso em: 10 fev. 2017

RODRIGUES, Ana Célia. Identificação: uma nova função arquivística. Revista EDICIC, Internacional, v. 1, n. 4, p.109-129, out./dez., 2011.

RODRIGUES, Ana Márcia Lutterbach. A teoria dos arquivos e a gestão documental. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 11 n. 1, p. 102-117, jan./abr., 2006.

RONCAGLIO, Cynthia. Arquivos, gestão de documentos e informação. Encontros Bibli, Florianópolis, ed. esp., 2004.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Tradução de Magda Bigotte de Figueiredo. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SCHELLENBERG, Theodore Roosevelt. Arquivos Modernos: princípios e técnicas. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SOUZA, Renato Tarciso Barbosa. Classificação de documentos arquivísticos: trajetória de um conceito. Arquivística.net, Rio de Janeiro, v.2, n. 2, p 120-142, ago./dez. 2006.

SOUZA, Renato Tarciso Barbosa. Alguns apontamentos sobre a classificação de documentos de arquivo. Brazilian Journal of Information Science, Marília, SP, v. 8, n. 1/2, 2014.

TOGNOLI, Natália Bolfarini. A construção teórica da Diplomática: em busca de uma sistematização de seus marcos teóricos como subsídio aos estudos arquivísticos. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, Marília, 2013.

TROVERO, Juan Ignacio. ¿Qué es la teoría sociológica? Teoría y metateoría: aproximaciones desde Alexander y Ritzer. Buenos Aires: Instituto de Investigaciones Gino Germani, Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de Buenos Aires, 2013.

VANDENBERGHE, Frédéric. Metateoria, teoria social e teoria sociológica. Cadernos do Terceiro caderno: IESP. UERJ, n. 3, 2013.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 ÁGORA ISSN 0103-3557

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ÁGORA: Arquivologia em debate
Universidade Federal de Santa Catarina, ISSN 0103-3557, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Licença Creative Commons Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional. Apoio técnico de Lepidus Tecnologia